Pastor é inocentado por falta de provas, mas continua preso

O pastor Lou Yuanqi, da Região Autônoma Uigur de Xinjiang recebeu o veredicto de inocência por “falta de provas”, e seu caso foi enviado para o Escritório Público de Segurança pelo promotor público. O tribunal disse: “Os fatos utilizados no caso não estão claros, não há provas suficientes”. Apesar dessa decisão, o pastor Lou continua preso.

O pastor Lou foi a julgamento no dia 15 de dezembro de 2008, sob as acusações de “utilizar a superstição para questionar a lei”. Fontes afirmam que a verdadeira razão da acusação foi para acabar com a igreja não-registrada na casa de Lou. Depois do julgamento do pastor, sua filha Lou Tiantian, 18, foi agredida pela polícia quando tentou falar com seu pai que estava dentro de uma viatura. Lou Tiantian foi levada para o hospital, onde recebeu tratamento médico, sendo liberada na mesma noite.

Durante o julgamento de Lou, o juiz confessou que há perseguição em Xinjiang. No entanto, testemunhas afirmam que o juiz declarou: “Se os cristãos têm mais liberdade religiosa nas áreas fora de Xinjiang, eles deveriam considerar sair daqui, porque essa região é muito especial”.

O pastor Lou foi preso pela primeira vez em 17 de maio de 2008. No mesmo dia, ele foi transferido para o centro de detenção Huocheng. Ele sofre de hepatite B, e as condições na prisão pioraram seu estado de saúde (saiba mais).

A esposa do pastor, Wang Wenxiu, seus filhos e igreja continuam a se reunir apesar da prisão do líder. Quando soube que cristãos do mundo inteiro estavam orando por sua família, Wang pediu que amigos transmitissem essa mensagem para toda a comunidade internacional:

“Por favor, agradeçam a eles, porque a prisão de Lou é a vontade de Deus. É sua promessa. É a graça de Deus. Como podemos ser dignos de que tantos irmãos orem por nós? A cruz de Cristo nos encoraja a continuar. Estou muito feliz e cheia de gratidão por todo o apoio através da oração.”

Continue orando pelo pastor Lou Yuanqi e toda sua família, para que eles encontrem forças no Senhor e para que a justiça seja feita.