Dois cristãos foram soltos após quatro meses na prisão

Dois membros idosos da igreja Kale Hiwot presos em Dekemhare em novembro do ano passado (leia mais) e mantidos no campo militar de concentração Mitire foram soltos sob fiança. A data da soltura dos homens, ambos com 80 anos, e as condições da fiança são desconhecidas. Solomon Mengese também foi solto. O membro da igreja Full Gospel, dono de um posto de gasolina, ficou preso por seis meses na delegacia de Asmara e foi solto há duas semanas.

Mais de 2.900 cristãos continuam presos na Eritreia por causa de sua fé. Relata-se que cerca de 360 deles são mantidos sob condições muito duras no campo de concentração.

Enquanto isso, a campanha do governo contra os membros de igrejas não-registradas continua, e 46 evangélicos não receberam o visto necessário para viagens internacionais. Como os homens já tinham cumprido o tempo de serviço militar que é requisitado para a liberação do visto, parece que essa recusa veio como resultado de eles serem membros de igrejas não-registradas.

Nativos afirmam que o escritório de imigração tem sido meticuloso ao estipular a conexão religiosa dos candidatos desde dezembro de 2008. Qualquer membro dos grupos coptas, católicos, evangélicos luteranos e islâmicos não registrados pelo governo ou os complacentes com a igreja Faith of Christ, Adventistas do sétimo dia, presbiterianos e os da fé Bahai, têm os seus vistos negados, apesar do fato de já terem completado o serviço militar.

O presidente Isaias Afwerki e seu governo insistem em negar que haja perseguição religiosa na Eritreia, afirmando que esses relatos estão baseados em “alegações falsas, exagero e acusações fabricadas”.