Advogados são proibidos de discutir o uso da palavra "Alá"

| 24/03/2009 - 00:00


O governo da Malásia alertou os advogados do país a não debaterem questões legais relacionadas à religião no site do conselho de advogados.

No ano passado, o governo baniu o jornal Catholic Herald por usar a palavra “Alá” para se referir ao Deus cristão (saiba mais). Os editores do jornal protestaram que na língua malaia, “Alá” é a única palavra utilizada para Deus.

Agora, o conselho de advogados deu a sugestão de convidar seus integrantes e o público para participar de uma votação online questionando se algum dos grupos tem direito ao uso exclusivo da palavra “Alá”.

“Se eles (conselho de advogados) continuarem a discutir o assunto, os muçulmanos podem se levantar, e se eles fizerem isso, os advogados não devem se irritar, mas arcar com as consequências”, alertou Ahmad Zahid Hamidi, ministro encarregado de assuntos referentes ao islã.

“Esse foi o último aviso para o conselho de advogados. O gabinete e o parlamento ordenaram que o assunto não seja colocado em discussão.”

“Depois disso, espero que nenhum indivíduo ou organização fale sobre o assunto.”

Cerca de 60% dos malaios são nativos definidos pela lei como muçulmanos e proibidos de abandonarem a religião. O restante da população é formado por budistas, hindus e cristãos de origem chinesa e indiana.

Críticos do governo dizem que essa discussão está causando um conflito religioso na tentativa de fortalecer o apoio de sua base muçulmana.

O governo, que dirige o país desde sua independência da Grã Bretanha em 1957, está preso em uma luta com a oposição desde a queda na última eleição, a pior nos últimos anos.

No final dessa semana, o vice-primeiro ministro Najib Razak assumirá o cargo de primeiro ministro na tentativa de reverter o destino do governo.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE