Funcionárias deverão utilizar vestimentas muçulmanas

Todas as funcionárias no Banco de Dubai, muçulmanas e não muçulmanas, devem usar um shailah (lenço vermelho) e uma abaya (capa preta que cobre todo o corpo) a começar neste Ramadã.

Um memorando enviado para o staff na quinta-feira declara que o banco decidiu que todas as funcionárias, muçulmanas e não muçulmanas, devem vestir um shailah e uma abaya.

Um oficial do Banco de Dubai que não quis se identificar disse que o memorando foi emitido pelo gerente de recursos humanos, para informar aos funcionários que, a partir do primeiro dia do Ramadã, todas as funcionárias deveriam usar as vestimentas, independente de sua religião.

“Nosso banco é islâmico e deve seguir a sharia (lei islâmica) em todos os aspectos, o que satisfará nossos clientes”, afirma. Enquanto a decisão entrou em vigor desde o primeiro dia do Ramadã, já virou uma regra e parte do código de vestimenta para as funcionárias permanentemente.

A proposta do Conselho Superior fatwa e sharia diz que a abaya não deve ter nenhum ornamento ou enfeite, e não pode ser colorido. Também diz que as funcionárias que não aderirem ao código serão advertidas pelo departamento de recursos humanos.

Se os membros da equipe insistirem em não cumprir a lei, o assunto será levado ao executivo do conselho, que decidirá qual ação será tomada.


O banco fornecerá os “acessórios” para suas funcionárias, para encorajá-las a usarem as vestimentas.

A proposta, assinada pelo diretor do Conselho Superior do banco de Dubai, disse que a decisão ganhará a confiança dos clientes e ajudará a comercializar os produtos do banco.

Um dos argumentos contidos na proposta é de que muitos clientes escolhem um banco baseado, antes de qualquer coisa, em sua aparência. O código de vestimenta é essencial para determinar a identidade do banco como uma instituição baseada na sharia.