Cristão morre de meningite em prisão militar

O cristão Mesfin Gebrekristos, preso há um ano por causa de sua fé evangélica, faleceu no dia 3 de setembro, vítima de meningite. Uma epidemia assolou a prisão militar de Wi’a, e deixou sete mortos.

Mesfin, casado e pai de dois filhos, é o décimo cristão que se sabe ter morrido na prisão.

A Portas Abertas Internacional também foi informada que o governo eritreu solicitou que todo o povo informasse a polícia sobre cristãos reunindo-se ilegalmente na vizinhança.

Essa é mais uma forma de pressionar os fiéis que cultuam fora das instituições aprovadas pelo governo: as igrejas ortodoxa, luterana e católica; e grupos muçulmanos.

A solicitação foi feita durante um encontro chamado “Trabalhando com a polícia para evitar crimes no país”. Comandantes da polícia chamam de “atividades criminosas” as reuniões domésticas feitas por grupos não-registrados. Eles pedem aos civis para considerá-las da mesma forma.

O governo, por sua vez, afirma que tais atos criminosos devem ser punidos de acordo com a lei.

Segundo contatos no país, essa convocação causou grande temor entre os grupos cristãos ilegais. Os líderes afirmam que será difícil convencer os membros de suas comunidades a encarar essas ameaças com ousadia. Eles pedem que o Corpo de Cristo peça a Deus para fortalecer esses irmãos.

Mais de 2.800 cristãos continuam detidos em prisões eritreias, por se recusar a deixar sua religião. Esses cristãos são mantidos em condições sub-humanas, enfrentando torturas, falta de alimento e temperaturas insuportáveis.

Pedidos de oração