Relatório mostra as violações dos direitos humanos cometidas pelo país

| 23/10/2009 - 00:00


Pyongyang deve mudar radicalmente sua “péssima” situação de direitos humanos, proibindo as execuções públicas e punições para aqueles que são presos e deportados depois de buscarem refúgio em outros países. Essa foi a declaração feita por Vitit Muntarbhorn, representante da ONU na Coreia do Norte, que afirmou que “somente um terço da população – o equivalente a 2 milhões de pessoas – recebem a ajuda enviada pelo programa de alimentação da ONU.

O professor Vitit tem estudado a situação na Coreia do Norte por seis anos, mesmo não tendo recebido permissão para entrar no país. Ele apresentou para a ONU seu mais recente relatório feito com a ajuda de agências humanitárias e de assistência, ONGs e refugiados norte-coreanos.

Pak Tok-hun,  o embaixador de Pyongyang para a ONU, negou tudo o que estava no relatório, dizendo que se tratava de um “documento de conspiração política, cheio de informações distorcidas, mentiras e enganos, escrito por forças hostis”. O diplomata acrescentou que pressionar a Coreia do Norte seria “totalmente inútil” e reforçou “o orgulho do sistema de proteger os direitos humanos”.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE