Autoridades querem interromper atividades batistas

Um tribunal uzbeque condenou o presidente da União Batista do Uzbequistão e dois outros líderes por supostamente “sonegar impostos” e envolver crianças em atividades religiosas sem a autorização de seus pais.

Pavel Peychev, que também é presidente da União de Cristãos Evangélicos Batistas da Ásia Central, foi condenado por não pagar os impostos do acampamento de verão que lidera. No entanto, Pavel negou que a igreja lucrava com a área financeira do acampamento e que sonegava impostos.

Os pais das crianças mencionadas no processo disseram que os investigadores inventaram os testemunhos e depoimentos.

Pavel e mais dois líderes batistas – Elena Kurbatova, contadora da UECHB, e Dmitry Pitirimov, diretor do acampamento batista infantil Joy (alegria) – tiveram que pagar uma multa correspondente a 260 vezes a média salarial do país, cerca de US.208, 00. Eles também pagaram os impostos retroativos.

“A Aliança Batista Mundial vê os últimos acontecimentos no Uzbequistão com muita preocupação”, afirmou Neville Callam, secretário geral da Aliança batista.

Os relatos sugerem que as acusações e o julgamento foram “armados com o objetivo de cortar as atividades religiosas no país”.

O Uzbequistão fazia parte da União Soviética e recebeu sua independência em 1991. O país tem um presidente autoritário com pouco poder fora do ramo executivo.

A nação é conhecida por suas violações dos direitos humanos, inclusive de liberdade religiosa. As autoridades invadem cultos e interrogam os cristãos. Os oficiais também confiscam materiais religiosos, e os presos são agredidos fisicamente.

Durante o julgamento dos líderes batistas, cerca de 80 membros das congregações se reuniram para apoiá-los. O veredicto foi dado no dia 29 de outubro em Tashkent, capital do Uzbequistão.

Ore por esses cristãos, pois as autoridades querem limitar suas atividades.