Familiares pressionam cristã a deixar sua fé

| 15/12/2009 - 00:00


Uma mulher sudanesa que fugiu para o Egito após ter se convertido do islamismo para o cristianismo está vivendo em isolamento total, pois seus familiares estão tentando encontrá-la.

O irmão e o ex-marido de Howida Ali começaram a procurar por ela no Cairo no início deste ano, depois que um parente relatou onde ela estava. Enquanto permaneciam no país, os dois homens tentaram sequestrar o filho de Howida, de 10 anos, na saída da escola.

“Tenho medo que meu irmão nos encontre”, disse Howida, de 38 anos, que se mudou novamente para outra região. “O objetivo deles é me levar de volta para o Sudão, e lá, eles nos forçarão a aceitar a religião islâmica ou morreremos, de acordo com a sharia”.

Howida disse que se divorciou de seu marido, Esam El deen Ali, em 2001, antes de se converter ao cristianismo, por ele ser viciado em droga. Ela morava com seus pais em Cartum quando começou a ter visões com Cristo, ela conta.

“Em 2004, comecei a ter uma visão de Cristo falando comigo. Quando compartilhei com uma amiga, que é muçulmana, ela me disse que costumava ouvir essas coisas dos cristãos.”

Esse comentário levou Howida a procurar um amigo cristão do Sul do Sudão, que falou com ela sobre Jesus e orou.

“Depois daquele momento, comecei a ter mais visões com Cristo dizendo: ‘Ele é Cristo, o Bom Pastor’”.

Temendo que seus parentes pudessem descobrir que ela era cristã, em 2007, ela fugiu com seu filho de 8 anos. A família já havia tentado impedi-la de viajar porque ela não teria a companhia de um homem adulto, e porque eles não aprovavam seu divórcio.

“Eles destruíram meu passaporte, mas com a ajuda de um amigo cristão, consegui um novo e viajei em segredo.”

Seu período de paz no Egito durou pouco. No início desse ano, enquanto Howida frequentava uma igreja secretamente enquanto morava na casa de um parente muçulmano no Cairo, descobriram sobre sua conversão e avisaram seu irmão e seu ex-marido no Sudão.

Quando a encontraram, os dois homens tentaram matá-la, acusando-a de apostasia – isso com o apoio de seus parentes no Sudão e outras pessoas da comunidade, integrantes da tribo Shaingia, que praticam o islamismo tradicional.

Temendo uma possível conversão forçada, Howida tentou ir para Israel; as autoridades egípcias a prenderam na fronteira durante dois meses. Em todo esse tempo, seu filho foi colocado em um orfanato islâmico. Uma família o adotou, mas Howida conseguiu recuperar a custódia do menino assim que saiu da cadeia, em outubro.

“Paramos de sair do apartamento e de ir à igreja. Meu filho não pode mais ir para a escola todos os dias. Não podemos viver nossas vidas normalmente. Ou não posso participar de estudos bíblicos. Dependo somente de mim mesma para crescer espiritualmente, e para orar e estudar a Bíblia.”

Howida diz que sua única esperança de poder viver sua fé abertamente é morando em uma comunidade cristã em outro país, que garanta a liberdade religiosa.

E se fosse você? Como reagiria à perseguição? Queremos saber sua opinião. Acesse a página Cristãos perseguidos: e se fosse você? e deixe seu comentário.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE