Cristão é condenado a prisão perpétua por acusações falsas

| 02/03/2010 - 00:00


A agência de notícias International Christian Concern (ICC) foi informada de que o tribunal paquistanês condenou um cristão à prisão perpétua por, supostamente, fazer comentários “degradantes” sobre o Alcorão e Maomé.

O jornal paquistanês Dawn relatou que o tribunal também multou Qamar David em 101.000 rúpias paquistanesas (US$ 1.187,00).

David foi preso em 2006 por supostamente divulgar mensagens blasfemas de seu celular.

Ele é o segundo cristão a ser condenado à prisão perpétua por acusações de blasfêmia nos últimos dois meses. No dia 11 de janeiro, um tribunal no Paquistão condenou Imran Masih, depois que um vizinho muçulmano o acusou de queimar o Alcorão.

Profanar o Alcorão e blasfemar contra o nome de Maomé são atos puníveis em prisão perpétua e pena de morte, respectivamente, de acordo com as seções 295 (B) e 295 (C) do código penal do Paquistão. Os muçulmanos no país usam a lei de blasfêmia para perseguir os cristãos e outras minorias religiosas. No dia 31 de julho de 2009, um grupo de muçulmanos incendiou duas igrejas e 80 residências cristãs no vilarejo de Korian, devido à acusações falsas de profanação do Alcorão. No dia seguinte, o grupo matou 11 cristãos em Gojra.

Jonathan Racho, diretor regional do ICC na África e Sudeste Asiático, afirmou: “O caso de David é outro exemplo do uso da lei de blasfêmia para perseguir os cristãos. Pedimos que os oficiais paquistaneses libertem David e alterem a lei que está sendo usada de modo abusivo pelos muçulmanos para confrontar os cristãos”.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE