Mulheres cristãs são espancadas e humilhadas por se recusarem a negar

| 19/02/2004 - 00:00


Mulheres cristãs do Estado de Orissa, sofreram espancamentos e humilhação pública por se recusarem a desistir da fé. De acordo com os meios de comunicação, um grupo de extremistas hindus arrastou para fora de casa oito mulheres, incluindo duas garotas de 15 anos, no dia 6 de fevereiro enquanto os homens da família estavam trabalhando. Os agressores espancaram gravemente as mulheres com varas. Ao tentar reagir, suas roupas foram rasgadas e elas foram forçadas a andar nuas pelo vilarejo.

Os extremistas tentaram persuadir as mulheres a renunciar ao cristianismo. Quando ela se recusaram, seus agressores rasparam à força a cruz em suas cabeças.

O ato de tonsura, ou cortar o cabelo em forma de cruz, é um ritual religioso normalmente reservado ao padres e monges.

Nenhuma mulher das casas vizinhas veio em socorro a elas, apesar das mulheres cristãs terem pedido ajuda.

Quando os agressores fizeram mais ameaças contra elas, as mulheres e suas famílias fugiram dos vilarejos de Kilipala e Kanimul, no distrito de Jagatsinghpur, Estado de Orissa. Cerca de 20 pessoas, incluindo duas crianças, abrigaram-se numa igreja evangélica em Bhubaneswar, capital do Estado.

A Televisão Nova Déli encontrou recentemente as famílias na igreja e entrevistou as mulheres. Apesar da humilhação que sofreram, elas insistiram que sua fé em Cristo permanecia firme e não se reconverteriam ao hinduísmo.

Os moradores do vilarejo me torturaram e me humilharam antes de cortarem meu cabelo à força. Eles sequer pouparam minha filha, disse Sanjukta Kandi, uma das vítimas. De acordo com as mulheres, a multidão que as atacou era composta por cerca de 45 aldeões, alguns dos quais eram seus próprios parentes.

A tensão acendeu-se com o incidente, e os membros da família ainda estão com medo de voltar para casa. As mulheres estão recebendo cuidados pastorais e apoio da igreja de Bhubaneswar. Entretanto, o pastor reluta em discutir seu envolvimento, temendo represálias dos hindus contra a igreja.

A polícia local conversou com as vítimas e testemunhas, mas não seguiu os procedimentos legais corretos. Por exemplo, não havia polícia feminina presente durante a investigação, contrariamente às determinações legais. Houve também uma considerável demora antes que se permitisse às mulheres fazerem o Boletim de Ocorrência (BO), no qual elas deram os nomes de 35 pessoas responsáveis pela agressão.

Alguns dos agressores eram hindus, parentes das vítimas.

Dayal Gangwar, o superintendente distrital de polícia, disse que as mulheres se converteram ao cristianismo só recentemente, após contato com um residente do vilarejo que era cristão há 9 anos. De acordo com Gangwar, não houve tentativa de forçar as famílias à conversão. Visitas regulares e oração as haviam convencido a crerem em Cristo, disse ele.

Os obreiros cristãos de Bhubaneswar disseram a Portas Abertas que extremistas hindus estão trabalhando ativamente na área para criar a consciência sobre os males do cristianismo entre os moradores. Representantes de organizações hindus como o Bajrang Dal e o Vishwa Hindu Parishad foram designados em cada vilarejo para relatar quaisquer sinais de atividade missionária ou evangelística.

O Estado de Orissa já é conhecido por sua violência contra os cristãos. Foi nesse Estado que em janeiro de 1999 extremistas hindus assassinaram o missionário australiano Graham Staines e seus dois filhos.

Houve também muitos relatos nos últimos anos de mulheres em várias partes do Estado que foram despidas e tiveram a cabeça raspada antes de serem rotuladas como feiticeiras.

A administração distrital prometeu tomar providências legais a respeito do recente ataque. Entretanto, até este momento nenhuma prisão foi feita.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE