Obama planeja levantar questão dos direitos humanos com a China

| 18/01/2011 - 00:00


O presidente Obama planeja levantar questão dos direitos humanos com seu homólogo chinês Hu Jintao durante sua visita aos EUA na próxima semana, de acordo com funcionários seniores do governo.

Presidente dos EUA, Barack Obama, à esquerda, agita as mãos com o presidente chinês, Hu Jintao, à direita, seguindo a sua declaração conjunta, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, China, terça-feira, 17 de novembro de 2009.

O Washington Post informou, sexta-feira, que funcionários da administração junto ao processo de planejamento da visita de Hu disse que Obama irá publicamente e em privado apelar à China para ampliar as liberdades civis.

Obama também se reuniu com cinco defensores dos direitos humanos na China, na quinta-feira, incluindo três nascidos na China, para se preparar para discutir a questão com Hu.

Foi a primeira vez que Obama se reuniu com os defensores dos direitos na China, na Casa Branca.

"O encontro foi muito pluralista; muitas opiniões diferentes foram compartilhadas," disse um funcionário do governo, que pediu para permanecer anônimo, ao Post. "Mas o consenso foi de que os direitos humanos tem que estar na agenda mesmo que seja estranho. E isso faz uma diferença quando é."

A China detém atualmente o Prêmio Nobel da Paz Liu Xiaobo, escritor chinês e defensor da democracia, e Gao Zhisheng, um proeminente advogado de direitos humanos, na prisão.

Gao Zhisheng

No início desta semana, a Associated Press publicou uma entrevista exclusiva com Gao, que foi realizada em 07 de abril de 2010, duas semanas antes que ele desapareceu novamente.

A entrevista AP não foi liberada até oito meses mais tarde para honrar os desejos de Gao que "o seu testemunho não será tornado público a menos que ele volte a desaparecer ou feito isso para um ‘lugar seguro’, como os Estados Unidos ou na Europa," explicou a agência de notícias.

Após consulta com a família de Gao, que vive nos Estados Unidos, a AP decidiu liberar a entrevista, que continha os detalhes de sua tortura que antes era desconhecido até mesmo por sua esposa.

Na entrevista, realizada numa tranquila casa de chá em Pequim com os guardas do lado de fora, Gao disse que a polícia o havia despido e "agredido com armas em coldres" por dois dias e noites até que eles estivessem cansados.

"As agressões foram as piores disse ele que já havia suportado e o ponto mais escuro dos 14 meses, terminou em março de 2010, durante o qual Gao foi secretamente detido pelas autoridades chinesas," escreveu o repórter da AP Charles Hutzler, que conhece Gao desde 2005.

Gao disse ao Hutzler, "Esse grau de crueldade, não há nenhuma maneira de contar isso."

"Durante 48 horas, minha vida esteve por um fio."

Gao foi nomeado pelos chineses do Ministério da Justiça em 2001 como um dos dez melhores advogados do país, mas se tornou problemático para o governo quando ele começou a liderar o movimento dos direitos e defender vítimas da perseguição do governo em casos de alta visibilidade, especialmente, aqueles envolvendo liberdade religiosa para cristãos e praticantes de Falun Gong. Gao é um membro do movimento de Igrejas domésticas.

Em 2007, Gao também foi sequestrado e torturado, incluindo, por seu testemunho, tendo as forças de segurança dando-lhe choques elétricos em seus órgãos genitais e segurando cigarros acesos, perto seus olhos, para que ele sofresse cegueira temporária.

"Estamos preocupados com as tendências cada vez mais mafiosas das autoridades chinesas e com a deterioração geral dos direitos humanos e a situação do estado da lei na China," disse o presidente da Associação ChinaAid, Bob Fu, em uma indicação sexta-feira. "Apelamos ao Governo chinês a imediatamente prestar contas à comunidade internacional sobre o destino do advogado Gao e permitir-lhe viajar aos Estados Unidos para se reunir com sua esposa e família."

Fu também pediu ao presidente Obama para pressionar o governo chinês a "acabar com maus tratos ilegais e torturantes" de Gao, ativista legal cego Chen Guangcheng, e advogado cristão de direitos humanos Fan Yafeng e, imediatamente, voltar a elas sua liberdade.

Embora Obama deva levantar a questão dos direitos humanos durante seus encontros com Hu na próxima semana, os dois líderes superpoderosos devem se concentrar em como lidar com a Coreia do Norte e o Irã, e reviver a economia global mais do que os direitos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE