Cristãos no Iraque ainda sofrem violência, diz OIM

| 03/02/2011 - 00:00


Segundo agência 1,3 mil famílias foram obrigadas a deixar suas casas em direção a várias cidades do norte do país para se proteger.

A Organização Internacional para Migrações, OIM, informou que mais de 1,3 mil famílias cristãs iraquianas fugiram de suas casas em direção ao norte do país.

De acordo com a agência, eles estão enfrentando ameaças e problemas econômicos em suas cidades de origem.

Ataques

A perseguição aos cristãos iraquianos começou após a guerra de 2003 com a saída do presidente Saddam Hussein do poder. Muitos fieis fugiram para os países vizinhos.

Há três meses, pelo menos 52 pessoas morreram durante um ataque à Igreja Nossa Senhora da Salvação, na capital Bagdá.

Por causa da violência, novos postos de segurança foram instalados em áreas estratégicas, mas ainda não são suficientes para prevenir e conter novos ataques.

Rumores

Segundo a OIM, os deslocamentos internos de cristãos no Iraque continuam a aumentar. A cidade de Erbil, no norte do país, por exemplo, já recebeu 830 familias cristãs desde novembro passado.

A agência informou que os cristãos iraquianos tem encontrado dificuldade em vender suas casas por um preço justo. Há relatos de que algumas pessoas forjam a ameaça para fazer com que os donos dos imóveis fujam, baixando o preço da propriedade.

Dificuldades

O valor do aluguel em cidades que receberam grande influxo de cristãos também aumentou em até 300%.

Além dos problemas de moradia, os cristãos deslocados internamente no Iraque ainda enfrantam dificudade em continuar estudando e trabalhando.

Mesmo com as promessas de melhoria na segurança nas cidades de Bagdá e Nínive, a OIM afirmou que os cristãos devem permanecer no norte do país.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE