Fraude e violência ameaçam as eleições de hoje na Nigéria. Ore!

Uma explosão matou cerca de seis pessoas no escritório eleitoral da cidade de Suleja, horas antes de as votações terem início. Um repórter da BBC em Abuja afirma que muitas pessoas estavam no escritório naquele momento.

Enquanto isso, atiradores assassinaram mais quatro pessoas no estado de Borno, norte do país. Entre os mortos estava um oficial do partido corrente, que estava se preparando para distribuir os materiais da eleição. Muitos outros explosivos foram desarmados pelas forças de segurança, que afirmaram ser um plano para que as eleições fossem canceladas. A votação estava marcada para a semana passada.

A explosão atingiu Suleja, e um oficial contou para a BBC que ele estava fazendo diversas tentativas sem sucesso de contatar os trabalhadores que estavam no prédio e eram fundamentais para as eleições.

O presidente nigeriano Goodluck Jonathan condenou o ataque e ordenou um aumento imediato na segurança em todas as zonas eleitorais do país. Alguns membros o Corpo de Serviço à juventude nacional também foram mortos. O presidente afirma que eles estavam envolvidos nos processos para conduzir eleições livres, justas e críveis no país.

Os números das eleições:

74 milhões de eleitores registrados
109 senadores
54 partidos
36 governadores
20 candidatos à presidência

O caminho até a eleição nigeriana tem sido violento, com ataques em sedes de diversos partidos, explosões e assassinato de um dos candidatos. Cerca de 85 pessoas morreram em ataques ligados às eleições.

A votação já havia começado na semana passada, mas oficiais descobriram que diversas cédulas de votação haviam desaparecido. As últimas eleições, em 1999, foram caracterizadas por alegações de fraude e violência.

Ore pelas eleições na Nigéria, para que seja eleito um candidato temente a Deus e que defenda o direito à liberdade religiosa. Ore para que nenhum tipo de violência impeça os cristãos e eleitores em geral de votarem, e que os resultados sejam justos e sem fraude.

Saiba mais sobre as eleições e os cristãos nigerianos.