Violência e medo entre os cristãos do país

John Dayal, secretário-geral do All India Christian Council (AICC) e membro do Conselho de Integração Nacional do governo da Índia, lançou uma carta, enviada a todos os níveis de governo (local, estadual e federal), em que ele alerta contra uma possível ação no dia 23 de agosto, quando os hindus planejam demonstrações de ataques.

“Como vocês sabem”, escreve Dayak, “o dia 23 de agosto marca o terceiro aniversário da morte do líder Lakchmananda Saraswati em Kandhamal, Orissa. Eles planejam ataques contra cristãos e comunidades tribais dessa região. Isso já deixou mais de 56 mil cristãos desabrigados, quase 300 igrejas e mais de 5.600 casas destruídas. Uma freira e outras duas mulheres foram estupradas e muito molestadas.”

Estudos recentes sobre a autoria de crimes demonstraram que os cristãos foram, de fato, acusados injustamente de ter matado o líder hindu. No entanto, a condenação dos verdadeiros acusados não tem sido suficiente para tranquilizar os cristãos, que ainda sofrem intensa discriminação e violência.

“Agora, Sangh Parivar está dizendo que irá celebrar o dia 23 de agosto ‘protegendo sua fé’”, diz a carta de Dayal. Na verdade, o movimento hindu radical já está distribuindo folhetos para preparar todos para esse dia.

No entanto, a comunidade está com medo de que problemas e violência possam estar nos planos dos extremistas, e isso só não acontecerá se o governo do Estado tomar medidas mais rigorosas em Kandhamal e nos outros bairros.

Enquanto isso, uma delegação de parlamentares alemães visitou Kandhamal. Durante sua estada, eles chamaram o ministro-chefe de Orissa, Naveen Patniak, para tomar conta da situação de urgência no distrito.

“Os cristãos ainda vivem com medo – é a impressão que temos, depois de nos reunir com algumas vítimas de violência comunal”, disse um representante do governo.