O poder do perdão aos perseguidores

Nesta Páscoa, veja como a lição deixada por Jesus enquanto estava preso na cruz é vivida por irmãos e irmãs da Igreja Perseguida

| 10/04/2020 - 06:00

Ben é um dos cristãos sobreviventes do ataque à Universidade de Garissa, no Quênia, que ocorreu próximo à Páscoa, em 2015

Ben é um dos cristãos sobreviventes do ataque à Universidade de Garissa, no Quênia, que ocorreu próximo à Páscoa, em 2015


“Quando chegaram ao lugar chamado Caveira, ali o crucificaram com os criminosos, um à sua direita e o outro à sua esquerda. Jesus disse: Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo. Então eles dividiram as roupas dele, tirando sortes. O povo ficou observando, e as autoridades o ridicularizavam. Salvou os outros, diziam; salve-se a si mesmo, se é o Cristo de Deus, o Escolhido. Os soldados, aproximando-se, também zombavam dele.” Lucas 23.33-36

Ao longo de seu ministério, Jesus foi perseguido por diversas vezes e diferentes grupos tentaram desde colocá-lo em situações constrangedoras até criarem oportunidades para sua morte. Isso porque ele foi considerado blasfemo, se relacionava com publicanos e pecadores, fazia o que não era permitido no sábado, não vivia de acordo com a tradição dos líderes religiosos, além de diversos outros motivos. Após muitas tentativas, finalmente Jesus foi traído, preso e condenado.

A partir de então, naquela sexta-feira antes da Páscoa, começaram as humilhações. Jesus foi despido e recebeu um manto vermelho e uma coroa de espinhos. A cruz de Jesus foi erguida em meio a dois criminosos. O povo o observava, as autoridades o ridicularizavam e os soldados zombavam dele. Como reagir a tal situação? Jesus escolheu dizer: “Pai, perdoa-lhes, pois não sabem o que estão fazendo”. Em meio a todo o caos, Jesus fala sobre perdão. Talvez, o caminho mais fácil seja pensar que ele fez isso por ser o próprio filho de Deus. Mas ao longo de seu ministério, deixa claro que o perdão é parte essencial de seus ensinamentos. No início de sua vida pública, ao proferir o Sermão do Monte, ele falou: “Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas” (Mateus 6.14,15).

Mas como perdoar a quem nos persegue?
Essa é uma das lições que aprendemos com a Igreja Perseguida. No dia 2 de abril completaram-se cinco anos do ataque à Universidade de Garissa, no Quênia. 147 pessoas, a maioria estudantes cristãos, morreram durante as 15 horas de cerco por militantes islâmicos do Al-Shabaab. Naquele dia, alunos cristãos pagaram o preço por seguir a Cristo, enquanto os que sobreviveram sentem as consequências da dor física e emocional causada durante o evento.

Ben* é um deles. Ele estava a caminho de um encontro de oração naquela manhã quando ouviu tiros e percebeu que estavam sob ataque. Ele imediatamente deu a volta e se escondeu o melhor que pôde no quarto. “Por meio de aconselhamento, temos lidado e aceitado a realidade do ocorrido. Mesmo assim, há algumas coisas que você sente, vê e ouve que trazem memórias do que aconteceu. As feridas estão curadas, mas as cicatrizes continuam aqui.” Ben não tem ódio no coração com relação a muçulmanos, mas sente que o perdão relacionado aos terroristas vem do próprio Deus. 

Já o outro aluno, Wik*, quando os militantes atacaram a universidade, rapidamente pulou o muro. Porém, depois soube que a namorada foi morta. “Não acho que posso expressar realmente como foram os ataques. Mas descobri que a melhor forma de seguir em frente é perdoá-los e deixar Deus lutar por mim. Eu deixei minha amargura ir embora.” Ao ser questionado se em algum momento pensou em abrir mão da fé, Wik disse: “Jesus é o único caminho. Após o incidente em Garissa, senti que se não fosse por ele, eu não seria mais nada. O amor que recebi dos cristãos e da igreja também me deu motivo para permanecer em Cristo e a esperança de que um dia encontrarei os amigos que perdi durante o ataque”.

Já Esther* sobreviveu ao ataque ao se esconder no teto do dormitório: “Eu vi e ouvi como meus amigos eram mortos. As visões e os sons perseguem meus pensamentos e memórias”, disse a um colaborador de campo da Portas Abertas durante seu primeiro encontro, no hospital. Hoje, ela está muito melhor: “Eu consegui lidar bem com isso. Agradeço a Deus. Eu aprendi a perdoar porque percebi que não perdoar é apenas um fardo que me machuca, ainda mais porque essas pessoas nunca se importaram. Então, decidi deixar para lá. A dor ainda está um pouco aqui, mas o tempo tem sido um bom remédio para mim. Posso lembrar de todo o incidente, mas gradualmente, seu impacto está sendo apagado”.

Que nesta Páscoa nós possamos aprender ainda mais com Jesus em seus últimos momentos de vida e com sua ressurreição. Amanhã, vamos meditar sobre a espera dos discípulos e seguidores de Jesus entre sua morte e ressurreição. Aprenda mais com os cristãos perseguidos! Aproveite também esta data em que muitos cristãos são vítimas de ataques por causa da fé e cause um impacto positivo na vida de cristãos no Sri Lanka, que foram alvo de ataque no domingo de Páscoa do ano passado. Seja #UmComEles.

*Nomes alterados por segurança.

 


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE