O que todo cristão precisa saber sobre o Boko Haram

| 26/05/2017 - 00:00


26-nigeria-mulher-preocupada

Recentemente, manchetes em todo o mundo declararam boas notícias sobre o resgate de mais 82 meninas de Chibok. No entanto, para muitos leitores, é difícil entender o que realmente acontece à milhas de distância. Há 5 pontos relevantes que merecem ser observados sobre o Boko Haram e que podem ajudar os cristãos a entender o pensamento e o objetivo do grupo que vêm realizando sequestros e ataques contra os cristãos. O longo período de tensão vivido pela igreja na Nigéria não começou de repente. Entenda as motivações do grupo:

1. Integrantes do Boko Haram se identificam como jihadistas e são motivados religiosamente
O termo árabe ""Boko Haram"" é basicamente traduzido por uma frase ideológica: ""educação ocidental é proibida"" ou ainda ""educação não islâmica é pecado"". O grupo se definiu publicamente como ""pessoas comprometidas com os ensinamentos do profeta para propagação da jihad (luta islâmica). Na Nigéria, eles foram apelidados de ""Taliban Nigeriano"".

2. O grupo extremista encara a violência como uma ""revolta contra quem defende o cristianismo""
Eles entraram em conflito com as autoridades governamentais, acusando-os de permitir um modo de vida não islâmico na Nigéria, aceitando a cultura ocidental e o cristianismo no país. Tropas nigerianas precisaram intervir contra a violência deles, por volta de 2004, ocasião em que muitos do grupo morreram. Cerca de 60 sobreviventes invadiram um posto policial, dando início a uma batalha de dois dias, que matou outros 28 rebeldes. O Boko Haram então declarou que esperava que os demais muçulmanos fossem inspirados por essa atitude violenta e pelos confrontos mortais. A palavra ""revolta"" passou a definir o objetivo do grupo.

3. Eles se organizaram nessa ""revolta coletiva"" e passaram a atacar com mais frequência
A partir de 2009, a violência se espalhou ainda mais na Nigéria, quando oficiais do governo tiveram um confronto com o Boko Haram, o que desencadeou mais 5 dias de guerra. Munidos de fuzis, facões, machados e bombas caseiras, os extremistas atacaram delegacias de polícia e mais de 700 militantes morreram, entre eles o líder do grupo, Yusuf. Com a perda do líder, que era muito respeitado, aumentou a tensão. Os rebeldes passaram a planejar ataques mais sofisticados, como dirigir um carro bomba para a sede da ONU, em Abuja, por exemplo. Depois disso, os ""ocidentais"" entre eles cristãos, passaram a ser sequestrados também.

4. Boko Haram passou a ter como principal alvo: cristãos, militares e civis
Em 2013, o grupo passou a concentrar os ataques em escolas e igrejas, matando dezenas de crianças. Mais tarde, naquele ano, atacaram também 50 cristãos em igrejas, por três domingos consecutivos.?Em 2014, sequestraram as meninas de Chibok.

5. O novo líder do Boko Haram está determinado a erradicar o cristianismo na Nigéria
Em 2016, Abu Musab al-Barnawi foi nomeado o novo líder de Boko Haram.?Ele anunciou uma guerra contra o Ocidente, dizendo que os ocidentais estão tentando ""cristianizar"" a Nigéria. O líder também prometeu não atacar mais os muçulmanos neutros e ameaçou bombardear igrejas e matar cristãos. O grupo continua a recrutar cidadãos para essa guerra e tem prometido fidelidade aos jihadistas de todo o mundo. Enquanto organização, eles incentivam pequenas células a realizar atos de violência contra o governo nigeriano. O presidente Buhari se comprometeu a equipar as forças de segurança para dispersar os extremistas, mas os atos criminosos contra os cristãos continuam.

A Portas Abertas tem trabalhado muito para ajudar os cristãos perseguidos na Nigéria, fornecendo ajuda humanitária através de parceiros locais, aconselhamento pós-trauma, discipulado, restauração de casas e igrejas, além de todo tipo de alívio emergencial.

Envolva-se com os nossos irmãos nigerianos
Conheça os projetos Um Futuro de Paz para a Nigéria e Ajuda Emergencial para Famílias da Nigéria e continue orando pela Igreja Perseguida.

DIP 2017
Ainda dá tempo de participar! Corra e
inscreva a sua igreja. Mais de 7.530 igrejas em todo o Brasil já estão participando desse movimento de oração. Junte-se a nós no dia 11 de junho e faça mais pelos cristãos perseguidos na África.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE