Questões religiosas e étnicas são responsáveis pela violência

| 22/05/2017 - 00:00


22-rca-rua-de-chao

A situação da igreja na República Centro-Africana, 34º país na atual Lista Mundial da Perseguição, está cada vez mais complicada. O conflito religioso e étnico entre rebeldes muçulmanos do grupo Seleka e os integrantes do anti-Balaka (milícias cristãs formadas no RCA), já mataram milhares de vidas inocentes e causaram o deslocamento de milhares de cidadãos. De acordo com um relatório recente da Human Rights Watch (HRW – Observatório de Direitos Humanos), pelo menos 11 mil pessoas foram deslocadas nos últimos meses.

O grupo Seleka dividiu-se em duas facções rivais principais e os civis foram alvejados em matanças visíveis da represália. A maior parte dos combates ocorreu na província de Ouaka, localizada na região central, entre o norte que é predominantemente muçulmano, e o sul, onde a maior parte dos moradores é de cristãos.

""A menos que a força de paz da ONU, no país, opere decisivamente para colocar fim a estes confrontos, existe o risco de que eles se espalhem por todo o país, o que causaria mais instabilidade e renovaria os conflitos da guerra civil"", disse um dos colaboradores da Portas Abertas.

As pesquisas mostram que o aumento da violência nas regiões central e sudeste do país representa um enorme risco para os cristãos e também para os muçulmanos. ""A guerra civil, que terminou com os precários acordos de paz de 2013 e 2014, apresentou que pelo menos alguns dos assassinatos de represálias que foram relatados foram por questões étnicas e religiosas"", conclui o colaborador.

Leia também
Filho e neto de líder cristão morrem durante confronto
Milhares de cristãos vivem em condições precárias


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE