Acadêmica iraniana que vive nos EUA fala do futuro de seu país

| 20/10/2007 - 00:00


O jornal “Folha de S.Paulo” publicou no dia 1º do mês uma ampla entrevista com a iraniana Haleh Esfandiari, 67, presa por mais de três meses em Evin (Teerã), na qual conta como enfrentou interrogatórios diários e como foi sua vida nesse período. Diretora do programa para o Oriente Médio do prestigioso Wilson Center, em Washington, ela ouvia de seus interrogadores que era uma espiã a serviço do governo norte-americano, enviada ao país para organizar uma "revolução de veludo" e diz que qualquer mudança na sociedade “terá que vir de dentro do próprio país”.

A acadêmica acabava de visitar a mãe no Irã e se dirigia ao aeroporto, quando foi "supostamente assaltada", como diz, e teve os documentos roubados. Ao tentar tirar passaporte novo, foi presa, em 8 de maio.

Seus interrogadores diziam que ela era uma espiã a serviço dos EUA e que tinha ido ao país organizar uma "revolução de veludo", incitar a oposição ao regime dos aiatolás a mudar o governo. "Eu nunca tinha ouvido esse termo", disse ela à Folha, recém-chegada a Washington, onde mora e trabalha e para onde voltou depois de 105 dias presa.

Folha - A sra. nunca foi acusada oficialmente, mas membros do governo iraniano afirmaram que a sra. estava organizando uma "revolução de veludo" lá. Estava?

Haleh
- Quando os interrogadores usaram essa expressão pela primeira vez, eu não tinha a menor idéia do que estavam falando. De verdade.

Eu disse: "Revolução de veludo? O que é isso?". Eles acharam que eu estava sendo sarcástica ou irônica. Quando viram que não, me deram os exemplos da Ucrânia e da Geórgia. Respondi: "Mas pensei que a da Ucrânia era a Revolução Laranja".

Folha - Ainda assim, a sra. vê lugar para uma mudança de regime desse tipo no Irã?

Haleh - Não, não uma revolução com envolvimento de agentes externos. Se houver uma mudança no Irã, será como aconteceu no período de Khatami : uma abertura da sociedade vinda de dentro do próprio país, e não uma mudança de regime.

Se você estudar a história da Revolução Islâmica, verá que houve certa abertura sob Rafsanjani , então uma maior com Khatami, uma unidade maior dos grupos diferentes e até uma unidade no país.

Mas é um ciclo, abertura, recrudescimento, abertura. Assim, creio que a mudança virá de uma abertura, mais do que de uma mudança drástica.

Folha - Seu caso serviu também para reviver a crítica que se faz ao governo norte-americano de se utilizar de organizações para promover mudança de regime, as tais "revoluções de veludo". Qual sua opinião?

Haleh - Eles acreditam sinceramente -pelo menos os meus interrogadores do Ministério de Informação, não sei quanto ao resto do governo iraniano- que, se o governo norte-americano não quiser mais ou não puder fazer ou não tiver mais interesse em um ataque militar ao Irã, procurará a mudança de regime via a chamada "revolução de veludo".

E que o instrumento para isso seriam os "think tanks", as fundações, as universidades, as conferências que são organizadas no exterior e nos EUA.

Eles acham que qualquer pessoa que contribua com um "think tank" ou com uma universidade tem uma intenção oculta. Eles realmente acreditam que esses lugares, incluído o Wilson Center, são instrumentos do governo dos EUA.

Leia a íntegra desta entrevista, no UOL


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE