Uso de lei na Malásia restringe a liberdade de expressão

| 26/09/2014 - 00:00


26_Malasia_0310008259.jpg

O escritório de Direitos Humanos da ONU pediu que as autoridades da Malásia suspendam, imediatamente, as investigações e processos penais que restringem a liberdade de expressão no país.

""Estamos preocupados com o recente aumento do uso da Lei de Sedição de 1948, para prender e processar as pessoas por sua expressão pacífica de opinião na Malásia"", disse o porta-voz do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, Rupert Colville, em Genebra.

Desde o início de agosto, pelo menos 19 pessoas, incluindo líderes religiosos, atores da sociedade civil, membros da oposição política e ativistas, um professor universitário e um jornalista foram acusados ou colocados sob investigação por sedição, de acordo com o Escritório do Alto Comissariado (ACNUDH).

Mais recentemente, foi aberta uma investigação contra Edmund Bon, um advogado constitucional e de direitos humanos, por seus comentários em um artigo sobre o uso legal da palavra ""Alá"". Bon criticou as atuais restrições a membros de outros grupos religiosos (não islâmicos), que não podem utilizar o termo (traduzido como “Deus” em muitas literaturas cristãs, o que faz com que as Bíblias e livros cristãos que usem o termo sejam proibidos no país).

A ONU disse que também está preocupada que as autoridades da Malásia estejam aplicando a lei para silenciar as vozes críticas.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE