A perseguição aos cristãos no Catar

Aumento da pressão e da violência contra os cristãos levou o Catar a subir 11 posições na Lista Mundial da Perseguição 2020

| 08/09/2020 - 06:00

Os cristãos ex-muçulmanos no Catar contam com suas orações, pois precisam viver a fé em segredo

Os cristãos ex-muçulmanos no Catar contam com suas orações, pois precisam viver a fé em segredo


O Catar foi um dos países que mais subiu posições na Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2020 comparado ao ano anterior, indo da 38ª posição na LMP 2019 para o atual 27º lugar. Isso pode ser explicado devido ao aumento da pressão média sobre os cristãos, que está em um nível muito alto (12,8 pontos). Na LMP 2019, a pressão estava em 12,2 pontos.

Embora todas as esferas da vida mostrem níveis altos ou muito altos de pressão, a pressão é maior na igreja e na vida privada. Isso reflete as dificuldades que os cristãos ex-muçulmanos enfrentam para praticar e compartilhar a fé com os próprios familiares. A pontuação extremamente alta na esfera igreja reflete as dificuldades que as igrejas enfrentam ao tentar construir novos templos, por exemplo, e as limitações que têm para evangelizar entre os muçulmanos.

A pontuação de violência dobrou, indo de 1,1 na LMP 2019 para 2,2 na LMP 2020. Esse aumento se deve a incidentes que afetam cristãos expatriados, mas os detalhes não podem ser fornecidos por razões de segurança. Acompanhe abaixo o infográfico com a pontuação do Catar.

Catar é um país muito pequeno localizado na Península Arábica, com a capital Doha sendo o centro de todas as atividades. Os riscos enfrentados pelos cristãos, especialmente pelos convertidos do islamismo ao cristianismo, dependem do tipo de comunidade da qual eles fazem parte. Os cristãos ex-muçulmanos do Catar enfrentam os maiores riscos, pois a sociedade é conservadora e os laços familiares são fortes. Os expatriados cristãos ocidentais geralmente são livres para praticar suas crenças, desde que evitem o proselitismo. Cristãos não ocidentais, como os filipinos, são mais propensos a enfrentar discriminação e abuso, especialmente as trabalhadoras domésticas.

A religião do Estado é o islamismo wahabi conservador. Não muçulmanos podem apenas cultuar em casas ou em lugares designados. Proselitismo é contra a lei e pode acarretar em condenações de até dez anos de prisão. Qualquer crítica ao islã é punida e a conversão do islamismo a outra religião é apostasia, sendo proibida e socialmente inaceitável. Combinados com o islã, normas e valores tribais são impostos aos cristãos.

Como uma monarquia absolutista, o outro tipo de perseguição, além da opressão islâmica, é a paranoia ditatorial. O governo criou um estado de bem-estar com muitos benefícios financeiros para os cidadãos do país. Em troca, o governo espera obediência e não permite nenhum tipo de oposição.

Um país com mais estrangeiros do que nativos

Devido ao baixo número de nacionais comparado ao número de estrangeiros no país, o governo tenta proteger ao máximo a religião do Estado para manter o país islâmico. Embora cristãos estrangeiros que moram no país sejam relativamente livres para praticar a fé, o governo monitora todas as atividades. Há um bom policiamento no país e os cristãos estrangeiros precisam ser cuidadosos para não serem expulsos.

O tribalismo ainda tem um papel muito importante na sociedade do Catar. Apesar da chegada da moderna arquitetura e da tecnologia, há uma contínua influência e reforço de normas e valores antigos. Assim como em outras partes do Oriente Médio, religião está ligada à identidade familiar.

Assim, abandonar o islã é visto como uma traição à família. No geral, famílias pressionam os convertidos para retornar ao islã, sair da região ou não falar sobre a nova fé. Em muitos casos, os cristãos ex-muçulmanos são separados da família em consequência da conversão.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE