Biblioteca que foi destruída no Iraque recebe visitantes novamente

A biblioteca faz parte do centro cristão de Qaraqosh para atividades sociais e culturais da igreja

Há uma longa história sobre queima de livros na era cristã. Não é o pior crime do Estado Islâmico (EI), mas para o povo de Qaraqosh, no Iraque, a perda da biblioteca foi outro ataque contra a cultura e identidade do país. Mas, agora, a biblioteca está restaurada. 

Quando o EI invadiu a região, dezenas de milhares de famílias cristãs tiveram que fugir. Os extremistas destruíram sistematicamente casas e aldeias, além de incendiar igrejas e bibliotecas. A cidade de Qaraqosh tem a maior população cristã nas planícies de Nínive, norte do Iraque.

Quando a crise terminou e as pessoas começaram a voltar para casa, sabiam que havia muito a ser reconstruído. Segundo as igrejas locais, mais de 5.000 famílias cristãs voltaram. O restabelecimento da biblioteca foi um passo importante para restaurar a esperança e a dignidade da comunidade. Reconstruir o Iraque não é apenas sobrevivência - é restaurar a identidade completa das pessoas. O povo de Qaraqosh está ansioso para trazer a vida de volta à biblioteca, recriando o centro cultural e educacional que tinha sido.

Muito mais que livros

A maioria dos livros havia sido roubada e queimada. Com a ajuda das campanhas desenvolvidas pela Portas Abertas, junto com parceiros locais, novos livros foram adicionados ao pequeno número que foi resgatado. O edifício também foi reconstruído.

"[A biblioteca] surgiu das ruínas negras e dos destroços da demolição. Sonhamos que será um espaço onde intelectuais, estudantes, autores, poetas e outros leitores de nossa aldeia possam conhecer ou fazer pesquisas”, afirma o líder cristão Duraid, que supervisionou o projeto. A biblioteca faz parte do centro cristão de Qaraqosh para atividades sociais e culturais, incluindo exposições de arte, educação cristã e outras atividades relacionadas à igreja.

"Acredito que a biblioteca é muito importante para motivar as pessoas a ler e se tornarem mais instruídas. Apesar da enorme destruição que ainda existe à nossa volta, as pessoas já começaram a perguntar sobre esta biblioteca para suas pesquisas ou estudos científicos. Nós trabalhamos duro para renová-la, para transformá-la em um centro onde jovens, autores, leitores e estudantes instruídos se reunirão”, diz Labib al Katib, membro do comitê da igreja.

Os iraquianos ainda desejam expandir o número de tópicos abordados pela biblioteca, bem como os idiomas. Algumas famílias voltaram para Qaraqosh depois de serem refugiadas na Europa e gostariam de continuar lendo livros em inglês. A equipe tem planos ousados para o futuro. Uma biblioteca bem equipada pode ajudar a próxima geração de crianças iraquianas a alcançar seu potencial.

O Iraque ocupa a 13ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019, o ranking dos 50 países onde é mais difícil viver como cristão. O extremismo islâmico ainda é um problema no Iraque. Embora o EI tenha perdido território no país, a ideologia permanece. Apesar disso, muitas famílias corajosas voltaram e estão reconstruindo suas vidas e comunidades.

Pedidos de oração