Cristã sobrevive a abuso sexual na África

Grupos rebeldes violentam mulheres para punir a comunidade cristã

Portas Abertas • 10 out 2022


A cristã Igna estava em casa quando os rebeldes atacaram (foto representativa)

A cristã Igna estava em casa quando os rebeldes atacaram (foto representativa)

*Conteúdo sensível: Violência sexual 

 
No dia 13 de setembro, o grupo rebelde Colition Patriotique pour le Changement (CPC) invadiu a casa da cristã Igna (pseudônimo) pela manhã na República Centro Africana. Um dos rebeldes violentou sexualmente a cristã, que já havia enfrentado o grupo anteriormente.  

 
Igna, de 36 anos, é casada e vive em um acampamento informal para deslocados internos no distrito de Haute Kotto, Leste do país. Muitas pessoas se refugiam nesses locais para fugir da insegurança que os extremistas causam. “Eles entraram no vilarejo de madrugada. Ouvi tiros, por isso pensei que fossem os soldados que patrulham a região”, Igna contou aos parceiros locais da Portas Abertas. 


Dez rebeldes entraram na casa e começaram a ameaçá-los. Eles pediram dinheiro e cigarros. “Abri a janela e vi dois grupos fortemente armados no acostamento. Disse ao meu marido que a guarda nacional tinha chegado. Ele levantou e quando abriu a porta gritou: ‘Meu Deus, estamos mortos!’. Nesse momento entendi que os homens eram rebeldes e não soldados. Meu marido os convenceu de que iria levá-los ao local que vendia cigarros. Quando meu marido saiu, um dos rebeldes me violentou sexualmente”, contou a cristã. 


Sobrevivente
 


Depois do ataque, um dos homens pediu a Igna que o levasse à loja de cigarros. Quando chegou ao local, ela conseguiu fugir e se esconder nos arbustos. “Ele atirou três vezes para cima para me assustar e fazer com que eu voltasse, mas não voltei. Fiquei escondida até o anoitecer, quando ouvi meus sobrinhos chamando meu nome, me procurando”, concluiu Igna.
 


Em 2021, dois irmãos de Igna foram assassinados durante um ataque do mesmo grupo. Ela e a família precisaram fugir e tornaram-se deslocados internos em um acampamento com outros deslocados que também fugiram da insegurança. Parceiros locais estimam que por volta de 100 pessoas vivem no acampamento atualmente e por causa da distância, muitos como Igna, precisam aguardar dias e até semanas para receber o atendimento médico de que precisam.
 


Igna
é uma entre as muitas cristãs vítimas de abusos sexuais na República Centro-Africana e outros países vizinhos. Os grupos rebeldes procuram estrategicamente as cristãs para escravizar e enfraquecer as vítimas e, consequentemente, extinguir o cristianismo. Quando conseguem seus objetivos tratam os abusos como vitórias e as mulheres como prêmios. 


Pedidos de oração 
 

  • Interceda por Igna para que ela se recupere emocional e fisicamente. 
  • Peça ao Senhor que proteja as mulheres do país dos ataques de rebeldes e extremistas. 
  • Ore pelas igrejas cristãs na República Centro-Africana para que tenham sabedoria em lidar com a violência e saibam acolher as vítimas. 

 

Sobre nós

A Portas Abertas é uma organização cristã internacional e interdenominacional, fundada pelo Irmão André, em 1955. Hoje, atua em mais de 60 países apoiando cristãos perseguidos por causa da fé em Jesus.

Facebook
Instagram
YouTube

© 2024 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco