Jihadistas espalham terror em Burkina Faso

Entenda porque a ideologia extremista islâmica tem encontrado lugar entre os burkinabes

| 12/11/2019 - 16:30

Cristãos são mortos e expulsos de seus vilarejos em Burkina Faso

Cristãos são mortos e expulsos de seus vilarejos em Burkina Faso


Burkina Faso é um país com problemas políticos, econômicos, tribais e religiosos, e a intervenção de grupos extremistas islâmicos tem inflamado ainda mais a violência nos vilarejos localizados na região do Sahel, no norte do país. Após 27 anos de governo autoritário do ex-presidente Blaise Compaoré, essa região ficou isolada e tornou-se ideal para a presença de jihadistas.

Existem muitos grupos terroristas atuando no Sahel Africano, desde o Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (GSIM), o Estado Islâmico da Província da África Ocidental e o Ansarul Islam, grupo que foi criado pelo imã (líder islâmico) Malam Dicko e recruta, principalmente, pessoas do grupo étnico fulani. Os combatentes têm fácil acesso ao país via Mali, onde a maioria das facções possui bases próprias.

Uma das ideologias que tem encontrado adesão entre a juventude burkinabe é a que ensina que as dificuldades do país resultam da presença francesa e da moral e dos valores corruptos do Ocidente. Até agora, 2.024 escolas foram forçadas a fechar e cerca de 330 mil crianças estão privadas de educação. Os professores também estão sendo ameaçados. Ou eles ensinam a ideologia de forma convincente, ou precisam deixar seus postos. “O governo tem transferido alguns estudantes e professores para áreas seguras”, conta uma educadora à Portas Abertas.

A ordem dos grupos terroristas é estabelecer um Estado com diretrizes extremistas islâmicas, onde as forças de segurança são atacadas, juntamente com as escolas e outros símbolos que representam o Estado. De acordo com um morador da região, as pessoas não podem mais andar pelas ruas livremente, as mulheres devem cobrir a cabeça, e os que têm vícios devem acatar a ordem de interrompê-los, porque correm o risco de serem mortos, caso desobedeçam.

Entre janeiro e agosto de 2019, 27 cristãos foram mortos em oito ataques. Pastores e famílias foram sequestradas e ainda estão em cativeiro, mas não se sabe o número exato de pessoas sequestradas. Vilas como Hitté e Rouga foram abandonadas e o número de deslocados chega a 2.000 pessoas. No norte de Burkina, as igrejas foram fechadas como prevenção aos ataques e os serviços à comunidade, interrompidos.

Os líderes cristãos do país concordam que a perseguição religiosa era um assunto tratado nos sermões, mas que eles não imaginavam que a dimensão e a opressão fossem tão fortes. “Nunca em nossa imaginação pensaríamos que isso poderia acontecer e que hoje seríamos dependentes da ajuda de outros cristãos em lugares seguros”, conclui o pastor Daniel Sawadogo, da comuna de Dablo.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE