O que é o ISWAP?

Entenda como atua o grupo Estado Islâmico da Província da África Ocidental

| 08/06/2022 - 08:00

Um dos resultados da ação do ISWAP é o crescimento de deslocados em países como o Chade

Um dos resultados da ação do ISWAP é o crescimento de deslocados em países como o Chade


ISWAP é a sigla em inglês usada para denominar o grupo extremista Estado Islâmico da Província da África Ocidental. O grupo é uma facção afiliada ao Estado Islâmico (EI), que dominou países como Síria e Iraque em 2014. Essa ramificação atua no Oeste Africano em países como Burkina Faso, Camarões, Chade, Mali, Níger e Nigéria.

Qual o objetivo do Estado Islâmico da Província da África Ocidental?

O objetivo do ISWAP é o mesmo do EI, estabelecer um califado, ou seja, um estado governado de acordo com a interpretação radical da sharia (conjunto de leis islâmicas). O líder desse governo é o califa e seria o representante de Alá na terra, por isso todos os demais países muçulmanos devem obedecê-lo.

Para que esse plano aconteça, os jihadistas utilizam a violência para eliminar todos que são considerados infiéis, ou seja, os não muçulmanos que, segundo os jihadistas, desejam impedir a dominação do islã no mundo. De acordo com suas crenças, a batalha com os governos locais faz parte dos confrontos do final dos tempos, descritos nas profecias apocalípticas da religião.

A força militar dos governos no Oeste Africano não consegue conter a ação dos jihadistas

Quando surgiu o Estado Islâmico da Província da África Ocidental? 

O ISWAP surgiu em 7 de março de 2015, quando o líder do grupo Boko Haram, Abubakar Shekau, jurou lealdade ao Estado Islâmico (EI) no Iraque e ao Levante na Síria. Nesse período, o nome foi mudado para Estado Islâmico da Província da África Ocidental.

No mesmo mês, o EI aceitou a promessa e o porta-voz do grupo, Abou Mohamed al Adnani, orientou os membros expulsos do Iraque e da Síria a viajarem para a África Ocidental, com o objetivo de treinar os insurgentes em assuntos como técnicas de combate, fabricação de armas artesanais e manuseio de explosivos.


Em agosto de 2016, os líderes do EI escolheram Abu Musab al-Barnawi como o líder do ISWAP. Mas houve conflitos internos e o grupo se dividiu em duas facções: ISWAP, liderada por al-Barnawi, e Boko Haram, liderada por Shekau. 

Desde a formação, o grupo ataca vilas e até bases militares. Além de assassinar pessoas, muitos delas cristãs, o ISWAP sequestra estudantes e trabalhadores humanitários.

Como o Estado Islâmico da Província da África Ocidental é financiado?

Um ano após a filiação, o ISWAP recebia uma quantia de 500 mil dólares do Estado Islâmico (EI) a cada quatro meses. Em 2018, o grupo radical já não precisava mais de dinheiro externo, pois era capaz de se autofinanciar.

O ISWAP recolhe impostos nos territórios onde domina e também é um dos principais produtores e distribuidores de peixe seco, arroz e pimenta. Há uma estimativa de que os jihadistas recebam de 2 a 3 milhões de dólares mensalmente.

Quantos combatentes o Estado Islâmico da Província da África Ocidental tem?

De acordo com estimativas da CIA, o ISWAP tinha 7 mil membros em junho de 2016. Em 2018, o Centro de Combate ao Terrorismo acreditava que a facção tinha de 3.500 a 5 mil combatentes. Mas em 2019, o pesquisador Vincent Foucher, do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica, garantiu que os números eram entre 2.500 a 5 mil homens.

Os soldados do ISWAP têm o conhecimento sempre atualizado. Eles costumam participar de treinamento militar também na Líbia e receberam jihadistas líbios como instrutores.


Quem são os soldados do ISWAP?

De acordo com o site de notícias Deutsch Weller (DW), os jihadistas que estão no controle ao redor do Lago Chade, por exemplo, têm uma relação profunda com as comunidades. O governo islâmico deles promete segurança, disciplina, lei e ordem em uma região de fraca presença do Estado, onde a pobreza é extrema e a oportunidade de melhores condições de vida é nula.

Os jovens decidem fazer parte de grupos extremistas como maneira de mudar de vida e garantir a segurança social (foto representativa)

Para os jovens na região, juntar-se ao ISWAP é uma maneira de melhorar e dar um sentido à vida. Em entrevista ao DW, o analista político nigeriano, Bulama Bukarti, afirmou que a propaganda é crucial para o crescimento do grupo. Uma prova disso é o testemunho de que um homem escolheu servir o Estado Islâmico da Província da África Ocidental  porque o grupo mostrou qual farda ele usaria durante as batalhas.

Os homens recrutados costumam ser das regiões que serão dominadas, por isso eles têm vantagem quando o assunto é conhecer a área, em detrimento das forças de segurança nacionais e regionais. Essa estratégia é fundamental para que o ISWAP tenha sucesso.  

Como o ISWAP persegue cristãos no Oeste Africano?

O Estado Islâmico da Província da África Ocidental deseja acabar com a presença cristã onde atua. Por isso, utiliza a violência para atacar e destruir vilas, igrejas e prédios cristãos, como hospitais e escolas. Outra maneira de expandir a ação é assassinar homens e jovens cristãos e sequestrar mulheres e crianças.

De acordo com os dados da Lista Mundial da Perseguição 2022, o grupo contribuiu com boa parte das 4.659 mortes de cristãos, que aconteceram entre 1 de outubro de 2020 a 30 de setembro de 2021, na Nigéria.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco