33

Níger

NE
Níger
  • Tipo de Perseguição: Opressão islâmica, corrupção e crime organizado, opressão do clã
  • Capital: Niamei
  • Região: Oeste Africano
  • Líder: Mohamed Bazoum
  • Governo: República semipresidencialista
  • Religião: Islamismo, cristianismo, animismo
  • Idioma: Francês, hausa, djerma
  • Pontuação: 68


POPULAÇÃO
25 MILHÕES


POPULAÇÃO CRISTÃ
64,7 MIL

Como é a perseguição aos cristãos no Níger? 

O Níger é um país de maioria muçulmana e já foi conhecido por promover a harmonia entre as religiões. Mas entrou no Top50 da Lista Mundial da Perseguição 2022 por causa do aumento da pressão sobre os cristãos. 

A maioria da população considera o islamismo como uma herança étnica, logo, se você é nigerino também é muçulmano. Por isso, os cristãos ex-muçulmanos estão mais vulneráveis à perseguição e enfrentam intensa pressão da família e da comunidade para renunciar à fé em Jesus.  

As comunidades cristãs históricas têm permissão para praticar a fé em particular. Porém, em regiões sob controle islâmico, os seguidores de Jesus devem se reunir com cautela devido à violência de grupos militantes como o Boko Haram.  

Em regiões próximas à fronteira com a Nigéria, igrejas foram queimadas e pastores forçados a fugir de casa. Enquanto isso, as autoridades locais impedem os cristãos de se reunirem, e o processo de registro de igrejas é longo e difícil.   

“Achei que perseguição fosse algo que acontecesse em outros lugares, como Nigéria, Irã ou Egito. Mas agora percebo que está no meu quarto, mesmo debaixo da minha cama.” 

Cristão nigerino que participou de um treinamento de sobrevivência à perseguição  

O que mudou este ano? 

A dinâmica da perseguição está mudando rapidamente no Níger, o que fez com o país subir 21 posições e entrar no Top50 da Lista Mundial da Perseguição 2022. Nos últimos cinco anos, a região do Sahel foi palco de ataques violentos dos jihadistas e o governo nigerino perdeu territórios para o extremismo. 

Desde 2020, o país passa por uma série de ataques de extremistas islâmicos e manifestantes que se vingam queimando igrejas e deixando os cristãos ainda mais vulneráveis. 

A pandemia de COVID-19 foi um fator que contribuiu para a expansão da influência do terrorismo. De forma mais ampla, essa tendência reflete o aumento da violência que os cristãos enfrentam na África Subsaariana. 

Quem persegue os cristãos no Níger 

O termo “tipo de perseguição” é usado para descrever diferentes situações que causam hostilidade contra os cristãos. Os tipos de perseguição aos cristãos no Níger são: opressão islâmica, corrupção e crime organizado, opressão do clã.  

Já as “fontes de perseguição” são os condutores/executores de hostilidades, violentas ou não violentas, contra os cristãos. Geralmente são grupos menores (radicais) dentro do grupo mais amplo de adeptos de uma determinada visão de mundo. As fontes de perseguição aos cristãos no Níger são: grupos religiosos violentos, cidadãos e quadrilhas, parentes, redes criminosas, líderes religiosos não cristãos, líderes de grupos étnicos, oficiais do governo.  

Quem é mais vulnerável à perseguição no Níger? 

Os cristãos ex-muçulmanos enfrentam pressão maior da família e da sociedade. Já os que vivem em áreas sob controle islâmico ou na região da fronteira com a Nigéria são mais suscetíveis a ataques violentos, assim como os que vivem na fronteira com Burkina Faso e Mali. 

Como as mulheres são perseguidas no Níger? 

As meninas e mulheres cristãs no Níger são perseguidas por serem mulheres e por causa da fé em Jesus. Em certas áreas, correm alto risco de sequestro e violências física e sexual por parte de extremistas islâmicos.  

As famílias não costumam relatar casos de estupro porque isso afetará tanto as perspectivas de casamento da vítima, como causará vergonha diante da comunidade. No ano passado, uma menina cristã foi abusada por um policial e isso reforçou a relutância da família em denunciar crimes semelhantes.  

As cristãs ex-muçulmanas enfrentam divórcio, separação dos filhos, perda da herança, casamento forçado e até violência sexual. Outro ponto é que as cristãs enfrentam assédio e discriminação por não usarem o hijab cobrindo os cabelos. Apesar de o Níger ser um país secular, mulheres e meninas que seguem a Cristo são forçadas a aderir a aspectos culturais da sharia (conjunto de leis islâmicas).  

Como os homens são perseguidos no Níger? 

Cristãos ex-muçulmanos são vulneráveis à perseguição da família, como rejeição, expulsão de casa ou prisão domiciliar, e o impacto psicológico disso é enorme.  

De forma mais ampla, os homens cristãos podem ser demitidos do emprego por causa da fé ou ter seus negócios boicotados pela comunidade muçulmana. Isso tem um impacto negativo em famílias inteiras, já que costumam ser os provedores financeiros.  

Os meninos no Níger correm risco de serem sequestrados e forçados a integrar grupos militantes como crianças-soldado. Embora essa não seja uma forma de perseguição religiosa direcionada, os cristãos estão entre os que correm risco. 

O que a Portas Abertas faz para ajudar os cristãos no Níger?

A Portas Abertas trabalha por meio de igrejas locais e parceiros no Níger para fortalecer os cristãos perseguidos. Isso acontece por meio de programas de capacitação econômica, treinamento de liderança, discipulado e sobrevivência à perseguição e cuidado pastoral para novos convertidos 

Como posso ajudar os cristãos perseguidos no Níger? 

Além de orar por eles, você pode ajudar de forma prática doando para os projetos da Portas Abertas de apoio aos cristãos perseguidos. Doando para esta campanha, você oferece socorro a cristãos no Oeste Africano atingidos pela violência. 

Pedidos de oração do Níger

  • Interceda pela diminuição rápida da violência e da influência de extremistas islâmicos contra os cristãos.  
  • Ore pela cura dos traumas dos cristãos nigerinos.  
  • Peça pelos programas de treinamento da Portas Abertas que equiparão os cristãos para resistir à perseguição e servir a Jesus no lugar onde vivem. 

Um clamor pelo Níger

Pai celestial, fortaleça, proteja e cure os cristãos no Níger afetados pela perseguição. Use-os de maneira ousada e poderosa nas famílias e comunidades. Anime aqueles que precisam e intervenha para diminuir a influência de grupos islâmicos. Que o Níger seja mais uma vez um lugar de paz e harmonia, e os cristãos estejam cada vez mais seguros para se reunirem em adoração, celebração e comunhão. Em nome de Jesus, amém.  

O Níger declarou sua independência da França em 1960. Desde então, o país passou por pelo menos quatro golpes militares. Apesar das melhorias desde que Mahamadou Issoufou chegou ao poder, em 2011, há preocupações sobre a “secularização” das políticas estrangeiras e domésticas do Níger. O país está lutando contra vários grupos militantes islâmicos: a Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQIM, da sigla em inglês) e o Movimento para a Unidade e a Jihad na África Ocidental (MUJWA, da sigla em inglês) na fronteira com o Mali, e o Boko Haram na fronteira com a Nigéria. 

Islâmicos são por sua própria ideologia opostos à natureza secular do governo. A maioria dos imãs dão sermões opostos ao Boko Haram e outros grupos militantes, especialmente os xiitas que são minoria. Esses líderes islâmicos não querem ver o que aconteceu na Nigéria se repetir no Níger e, por isso, apoiam os Estados Unidos na luta contra a militância islâmica. Entretanto, nos últimos anos, houve um aumento na adesão às práticas religiosas mais rígidas em cidades no Níger, especialmente em lugares como Zinder, Maradi e Diffa, que têm comunidades ligadas a comunidades islâmicas no Nordeste da Nigéria. 

Há, portanto, preocupação sobre a difusão de mais grupos islâmicos militantes como o Boko Haram. Por causa da proximidade das cidades mencionadas da principal área de operação do Boko Haram, no Norte da Nigéria, alguns líderes religiosos locais têm sido forçados a tomar uma postura pública contra o grupo, enquanto outros têm medo de prováveis reações por fazerem algo. Apesar de nenhum movimento radical islâmico dentro do Níger ter surgido para desafiar o governo, a possibilidade disso acontecer em um futuro próximo não pode ser descartada. Especialmente dadas as pressões externas a imãs e líderes locais vulneráveis influenciados pelo Boko Haram e outros grupos, como o MUJWA. 

Houve grandes incidentes políticos domésticos em 2018 resultantes de confrontos entre o governo e os ativistas e defensores dos direitos humanos, envolvendo amplamente o uso de medidas repressivas do governo. Ao deter arbitrariamente um grupo de defensores dos direitos humanos por cerca de quatro meses após a prisão em março de 2018, as autoridades nigerinas abriram os procedimentos de acusação contra o grupo na tentativa de silenciar as vozes dissidentes e proibir manifestações pacíficas. Um caso similar ocorreu novamente quando ativistas foram presos enquanto protestavam em março de 2020. 

Desde 2018, houve um aumento nos níveis de violência. Em 2019 e 2020, o país enfrentou diversos ataques jihadistas. Desde o início de 2021, o Níger testemunhou um aumento na violência jihadista, principalmente na região da fronteira entre Níger, Mali e Burkina Faso, com uma estimativa de 300 pessoas mortas em ataques nos primeiros três meses. Os grupos militantes estão constantemente expandindo suas operações e o governo parece não ter uma maneira efetiva para controlar a situação. 

CENÁRIO POLÍTICO E LEGAL 

A política no Níger tem o contexto de uma república democrática representativa semi-presidencial, com o presidente do Níger como chefe de Estado e o primeiro-ministro como chefe do governo, que é estabelecido como um sistema multipartidário. O poder legislativo é exercido no governo e na Assembleia Nacional. 

Políticos, tribos e militantes sempre interferiram no cenário político do Níger. Nos últimos anos, houve uma melhora nos direitos políticos e liberdades civis no Níger. O ponto de virada ocorreu entre 2009 e 2010, quando o presidente em questão, Tandja, anunciou sua intenção de alterar a Constituição da Quinta República do Níger por meio de um referendo, que incluía o aumento do mandato presidencial para três anos. Entretanto, os principais grupos de oposição foram contra e boicotaram o referendo. Em fevereiro de 2010, em meio à pressão da comunidade internacional, o exército derrubou o governo em um golpe. No outono de 2010, uma nova Constituição foi aprovada por meio de um referendo nacional e, em 31 de janeiro de 2011, Mahamadou Issoufou, do Partido para Democracia e Socialismo (PNDS, da sigla em inglês) venceu as eleições presidenciais contra o antigo primeiro-ministro Seyni Oumarou, do Movimento Nacional para o Desenvolvimento da Sociedade (MNSD, da sigla em inglês). 

O novo governo do presidente Issoufou assumiu o poder em abril de 2011. Desde então, grupos políticos e civis podem se reunir pacificamente, a situação para jornalistas e a liberdade de imprensa foi melhorada, e o Níger está a caminho de formar uma democracia multipartidária. Esse desenvolvimento é muito importante para os cristãos no país, especialmente por a região ser muito influenciada por atividades do Boko Haram e do AQIM. Entretanto, as eleições de 2016 não avançaram na consolidação da regra democrática e a corrupção permanece endêmica. Apesar desses contratempos, o resultado eleitoral foi aceito por todos os partidos políticos. Eleições gerais ocorreram novamente no Níger em 27 de dezembro de 2020 para eleger o presidente e a Assembleia Nacional. Como nenhum candidato presidencial recebeu a maioria dos votos, um segundo turno foi realizado em 21 de fevereiro de 2021. Mohamed Bazoum foi declarado o vencedor do segundo turno com 55,67% dos votos. Ele era o antigo ministro do Interior e o sucessor preferido e braço direito do presidente Mahamadou Issoufou. Ele assumiu o cargo em 2 de abril de 2021, marcando a primeira transição de poder pacífica do país entre dois chefes de Estado eleitos democraticamente. Entretanto, protestos foram realizados por grupos de oposição após as eleições e mais de 400 pessoas foram presas. 

O ex-presidente Issoufou tornou o combate à corrupção no governo uma de suas principais prioridades. Medidas anticorrupção agora se tornaram lei com foco em oficiais do governo, membros de suas famílias e todos os partidos políticos. Da mesma forma, agora há leis que contêm o conflito de interesses na concessão de contratos. O suborno de oficiais públicos por companhias privadas é oficialmente ilegal. Entretanto, a corrupção é um problema no judiciário e a impunidade é um sério desafio enfrentado no país. Funcionários públicos que infringem a lei e mantêm práticas corruptas atraem publicidade desfavorável, mas não são adequadamente processados. Essa situação afeta a sociedade negativamente, incluindo a população cristã.  

Muitos oficiais do governo do Níger são muçulmanos e alguns gostariam de buscar políticas e agendas que são discriminatórias contra cristãos e os excluiriam da vida pública. O ex-presidente Issoufou prometeu conter a expansão radical de ensinamentos islâmicos que promovem a violência em sua campanha de reeleição, em fevereiro de 2016, mas nenhuma medida concreta foi tomada.  

CENÁRIO RELIGIOSO 

O Níger é uma nação de maioria muçulmana, onde uma estimativa de 96,5% da população segue o islamismo. A maioria dos muçulmanos no Níger são membros da ordem Tijaniya ou da sunita Qadiriya, embora os islâmicos busquem desassociar a população do sufismo e encorajar o salafismo. Além disso, há grupos islâmicos menores no Níger, incluindo o Kalikato, que tem um sistema de crenças semelhante à do Boko Haram, em rejeição a todas as influências do Ocidente. De fato, a influência do Boko Haram parece estar se espalhando do Norte da Nigéria para o Níger. 

Apesar das tentativas do governo de controlar o que é ensinado em muitas madraças do país, há a preocupação de que isso tenha um papel na radicalização da juventude. É provável que tal radicalização torne a vida dos cristãos no país mais difícil, principalmente já que toda a região do Sahel está sob séria ameaça jihadista. 

O governo tenta manter a separação do Estado e da religião, mas essa separação está cada vez mais sob pressão. Líderes religiosos muçulmanos do Izala, um grupo islâmico radical originado no Nordeste da Nigéria, são ativos no Níger e ameaçam a liberdade dos cristãos. O país tem um histórico de boas relações entre a maioria muçulmana e as fés minoritárias. No entanto, a batalha do Níger contra o Boko Haram tem animado as tensões locais entre as comunidades e minado a segurança e a liberdade dos cristãos no país. 

Famílias de cristãos ex-muçulmanos tentam fazê-los renunciar ao cristianismo com ameaças ou usando a força. Cristãos são impedidos de celebrar casamentos cristãos em regiões da fronteira sob controle islâmico. Adoração conjunta e encontros de cristãos devem ser conduzidos com cuidado nessas áreas devido às ameaças de violência de grupos militantes. Cristãos não são tratados como os demais no setor público. Eles raramente conseguem empregos em serviços públicos e têm promoções negadas com frequência. Cristãos geralmente são impedidos de se reunir para encontros, e o processo legal para registro das igrejas é muito longo e difícil.  

As igrejas têm dificuldade com o aumento da militância islâmica no Níger e, nos últimos anos, houve ataques de grupos armados, como o Boko Haram, próximo à fronteira com a Nigéria. Pastores e líderes de igrejas de tais vilas são forçados a fugir para cidades maiores temendo por sua segurança.  

Em alguns casos, a pressão a cristãos de origem muçulmana é particularmente clara, especialmente na vida privada, família e comunidade. Pais e parentes podem se opor a conversão de membros da família ao cristianismo mais que o governo. Imãs radicais islâmicos e professores influenciam muçulmanos comuns a atacar e perseguir cristãos de origem muçulmana e qualquer cristão que inicia ministérios para ex-muçulmanos. Portanto, fora das grandes cidades e em áreas próximas à fronteira sudeste do país, cristãos de origem muçulmana são ameaçados como forasteiros pela comunidade local e, às vezes, enfrentam ataques violentos. 

CENÁRIO ECONÔMICO 

O Níger é um dos países mais pobres da África. Como um país sem litoral e de maioria desértica que é assolado por seca e fome, o Níger sempre se classifica perto do final do Índice de Desenvolvimento Humano das Nações Unidas. A única grande exportação do país é urânio não refinado. Com exceção de uma refinaria de petróleo em Zinder, que abriu em novembro de 2011, o Níger é um país inteiramente dependente de recursos. Linhas para energia elétrica e internet vêm da Nigéria e de Benin, respectivamente. Além disso, os países também fornecem a maior parte do petróleo, produtos agrícolas e comerciais. O setor agrícola contribui com cerca de 40% do PIB e provê sustento para aproximadamente 80% da população. Há planos na comunidade de desenvolvimento internacional de conduzir o Níger para energia solar e outras fontes de energia inovadoras que utilizam soluções indígenas. 

No Níger, 60% da economia vem de ajuda internacional e a perspectiva de futuro é que isso continue, especialmente porque a comunidade internacional teme que a economia do Níger falhe, o que permitiria a militantes islâmicos explorarem a situação e se tornarem ainda mais poderosos. 

CENÁRIO SOCIOCULTURAL 

Apesar da língua oficial do país ser o francês, cada tribo e grupo étnico tem sua própria língua e cultura. Oito de nove presidentes desde a independência, em 1960, eram descendentes de hausa ou zarma. Essas duas tribos dominaram o país e, por isso, não deveria surpreender que os tuaregues deram início às duas maiores rebeliões desde os anos 1990 e início dos 2000. As tribos songai foram os principais alvos do recrutamento do grupo islâmico MUJWA. O grupo usou o simbolismo tradicional dos songai em seus vídeos de recrutamento. As áreas mais férteis do Níger também estão na região de Zarma, ao sul de Niamei e, portanto, os zarma são a tribo mais rica no país. 

Os hausa são descendentes dos estados de Hausa que antigamente ocupavam a região das jihads do século 19, então eles têm uma tradição de estarem no poder. Os tuaregues do Nordeste do Níger vivem na região mais árida do país e são a mais pobre das principais tribos. Enquanto a educação não é garantida em nenhuma parte do país, os níveis são particularmente baixos na região de Tuareg, especialmente para mulheres. 

Líderes étnicos de grupos como os fulanis estão tentando alcançar a antiga linhagem islâmica de seu grupo étnico limpando suas comunidades de cristãos. Em Tunga, no estado de Dosso, nenhuma presença cristã é tolerada por religiosos e líderes tribais que têm grande influência nessas áreas. 

Embora houvesse expedições missionárias ao longo do rio Níger no século 19, o cristianismo não se estabeleceu no país até o século 20. O Servindo em Missão começou seu trabalho no Níger em 1923, e a Missão Batista Evangélica em 1929. A Igreja Católica Romana foi para o país em 1931 de suas principais bases missionárias em Daomé, atual Benin, e desde então estabeleceu duas dioceses. 

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE