ENTENDA A PERSEGUIÇÃO

Atualmente, mais de 340 milhões de cristãos são perseguidos no mundo. Entenda como a perseguição acontece


Os cristãos são perseguidos desde os tempos bíblicos. Atos 4 marca o início da perseguição aos cristãos logo após a descida do Espírito Santo, com a prisão de Pedro e João. Simbolicamente, então, aforma-se que esse foi o "início" da Igreja Perseguida.

A perseguição ocorre quando cristãos e suas comunidades experimentam pressão e/ou violência por razões relacionadas à fé deles em Jesus, fazendo com que cedam aos agentes condutores da dinâmica de poder prevalecente em seu ambiente. No mundo todo, a estimativa é que mais de 340 milhões de cristãos enfrentem algum tipo de perseguição.

A perseguição aos cristãos frequentemente ocorre em contextos conturbados, difíceis e desestabilizados, como guerras, tensões étnicas, religiosas e ideológicas, conflitos políticos e sociais, corrupção, degradação ambiental e desastres naturais, pobreza, problemas psicológicos severos, doenças e violência doméstica.



Quem são os cristãos perseguidos?

A realidade de quem vive no contexto de perseguição é bastante complexa. Às vezes, viver em um abiente caótico (pobreza, marginalização, criminalidade, etc.) já cria desafios suficientes para as pessoas, independentemente de serem cristãs ou não. Outras vezes, os desafios podem ser resultados de antipatia ou ódio contra cristãos (ou pode ser que, em uma dada situação, os cristãos tenham dificuldades tanto como cidadãos comuns quanto por sua fé - "dupla vulnerabilidade").

Com base nisso, definimos os termos "cristão" e "perseguição (aos cristãos)" para esclarecer quais pessoas são monitoradas e que tipo de situações ou incidentes são levados em consideração na pesquisa anual da Lista Mundial da Perseguição (LMP). Dessa forma, a metodologia da LMP pode cumprir seu objetivo, que é monitorar a perseguição aos cristãos e suas comunidades.

  • Cristão-toda pessoa que se identifica como cristã, incluindo as que não pertencem a uma denominação específica.
  • Perseguição-qualquer hostilidade vivida como resultado da identificação da pessoa com Cristo (atitudes hostis, palavras e ações).

Como os cristãos são perseguidos?

Enquanto a perseguição por meio da violência pode ser medida pelo número de incidentes ocorridos, a perseguição por meio da pressão precisa ser estudada de forma diferente, discernindo como a vida cristã e o próprio testemunho estão sendo pressionado sem diferentes áreas da vida. Portanto, não podemos afirmar que quanto mais violência há contra os cristãos, mais perseguição deve haver, pois menos violência pode significar níveis muito altos de pressão.


Um exemplo é a situação dos cristãos nas Maldivas. De todos os lados, eles enfrentam uma enorme pressão de amigos, vizinhos, familiares e do governo, o que significa que mal conseguem expressar a fé. Devido à grande pressão e controle, os cristãos não conseguem se identificar como cristãos livremente. No entanto, se alguém procurasse uma lista de incidentes em que os cristãos foram agredidos, colocados na cadeia ou deportados, possivelmente encontraria poucos casos.

Em outras palavras, o grau de pressão pode ser tão intenso que na verdade resulta em menos incidentes, uma vez que os cristãos escondem a fé. Então, não há evidência de “fúria” contra os cristãos através da violência e prisões, é a pressão que está matando a igreja. De fato, não é exagero dizer que muitos perseguidores preferem pressionar ao invés de cometer atos públicos de violência, na crença de que é uma forma mais bem-sucedida de destruir a igreja.


Por que os cristãos são perseguidos?

A perseguição está relacionada a religiões, ideologias ou mentalidades corrompidas, ou seja, impulsos. O mecanismo da perseguição se forma a partir de três impulsos que funcionam como fontes de energia a diferentes tipos de perseguição.

  • Exclusivista - relacionado à forte convicção religiosa. O outro, que não pertence ao mesmo grupo, é visto como inferior ou infiel.
  • Secularista - exerce uma pressão severa sobre indivíduos ou grupos que não aderem à ideologia dominante que é sempre antirreligiosa ou cética em relação à religião organizada em algum grau. O que conta é que os humanos ou a natureza são a única fonte de todas as normas e valores, sem inspiração ou orientação divina.
  • Exploratório - refere-se à ganância simples: obter o máximo de recursos possível para si mesmo e para o seu ambiente social, legal ou ilegalmente. Tudo é permitido. Enquanto no contexto dos impulsos exclusivista e secularista o poder é ativamente procurado para significar a supremacia de sua religião ou ideologia, o exploratório precisa de poder para salvaguardar seus interesses.

Quais são os tipos de perseguição que os cristãos enfrentam?

O termo “tipo de perseguição” é usado para descrever uma situação distinta que gera hostilidade (por pressão ou violência) contra os cristãos. É consequência de uma “dinâmica de poder” social que normalmente representa uma visão de mundo que tem uma reivindicação de superioridade sobre outras visões de mundo.

Isso não é um problema por si só, quando associado a um verdadeiro sentido de pluralismo. Quando não é o caso, isso move as “fontes de perseguição” a batalharem pela submissão absoluta da sociedade à visão de mundo que defendem.

Continue lendo para entender os 9 tipos de perseguição usados pela metodologia de pesquisa da Lista Mundial da Perseguição.




  • Opressão islâmica - situação de perseguição em que países, comunidades e famílias são forçados ao controle islâmico. Isso pode ser feito gradualmente por um processo de islamização sistemática (aumentando a pressão) ou repentinamente pelo uso da força militante (violência) ou por ambos.
  • Nacionalismo religioso - situação de perseguição em que países, comunidades ou famílias são forçados a ficar sob o controle de uma religião em particular (diferente do islã). Essa religião pode ser hinduísmo, budismo, judaísmo ou alguma outra. O processo pode ser gradual e sistemático (por meio do aumento da pressão) ou abrupto (por meio da violência).
  • Opressão do clã - situação de perseguição em que um clã ou família tradicional impõe a influência contínua de normas e valores antigos ou sistemas de crenças tradicionais. É comparável à opressão islâmica e ao nacionalismo religioso, geralmente há uma combinação de um aumento gradual de pressão e violência incidental.
  • Hostilidade etno-religiosa - situação de perseguição em que um grupo étnico sujeita outro grupo étnico a hostilidades porque o segundo grupo tem uma religião diferente. Expressa-se principalmente de forma dura, não exclusivamente por meio de confrontos violentos. Isso pode ir tão longe a ponto de pressionar por uma limpeza religiosa, significando que o agressor está tentando erradicar a presença do grupo vitimado por todos os meios.
  • Protecionismo denominacional - situação em que outros cristãos são perseguidos por uma denominação da igreja que visa garantir que ela continue sendo a única expressão legítima ou dominante do cristianismo no país. É comparável aos outros tipos que estão relacionados às expressões religiosas. É caracterizada por uma combinação de pressão sutil e violência aberta, embora na prática o equilíbrio seja frequentemente para a não violência.
  • Opressão comunista e pós-comunista - situação em que os cristãos são perseguidos e as igrejas controladas por um sistema estatal que deriva dos valores comunistas. A chave para controlar as igrejas é um sistema rígido de registro e monitoramento do Estado. Esse sistema ainda pode ser usado em países após a queda do comunismo, como é o caso na Ásia Central. Embora dependa de uma combinação de pressão e violência, a violência geralmente não é particularmente visível nesse sistema porque seu controle sobre a igreja é completo e firme.
  • Intolerância secular - situação em que se busca transformar a sociedade na forma de uma nova ética radicalmente secularista. Está, parcialmente, relacionada a normas e valores sobre sexualidade, casamento e outras questões que são contrárias aos valores cristãos. Quando indivíduos ou instituições cristãs tentam resistir a essa nova ética, são combatidos por meio de leis sobre não discriminação, censura da cruz e outros símbolos religiosos, leis de registro de igrejas, etc. A maior parte não é violenta, embora ocorram prisões de pastores e outros cristãos.
  • Paranoia ditatorial - situação de perseguição em que um governo autoritário faz de tudo para manter o poder. Não há foco especial na realização de uma visão ideológica. É comparável à opressão comunista e pós-comunista; embora dependa de uma combinação de pressão e violência, muitas vezes a ameaça de violência é suficiente para forçar a igreja não controlada pelo Estado à clandestinidade.
  • Corrupção + crime organizado - situação de perseguição em que grupos ou indivíduos criam um clima de impunidade, anarquia e corrupção como meio de enriquecimento pessoal. Há dois “ramos” principais: corrupção nas estruturas estatais e corrupção da sociedade pelo crime organizado. Expressa-se por meio de uma combinação de pressões sistemáticas causadas pelo medo das repercussões violentas em caso de não cumprimento, e por violência.

As principais fontes desses tipos de perseguição são os grupos sociais que pressionam os governos, uma vez que os tipos estão totalmente desenvolvidos e o governo e a sociedade envolvidos. Porém, a ênfase é normalmente na sociedade porque o compromisso religioso pessoal é essencial para que esses tipos de perseguição funcionem.


As fontes de perseguição aos cristãos

O termo “fontes de perseguição” é usado para definir grupos de pessoas que realizam as ações de pressão ou violência contra os cristãos. Geralmente são grupos menores e radicais de adeptos da ideologia seguida por um grupo mais amplo – os tipos de perseguição. Nem sempre o grupo maior tem uma visão tão radical e hostil quanto os grupos menores, mas isso não impede as ações de perseguição.

Um exemplo é o islamismo no Norte da Nigéria. Não é que todos os muçulmanos querem se livrar dos cristãos dessa região através da conversão ou expulsão. No entanto, fortes impulsionadores da islamização são bem-sucedidos através de meios violentos e não violentos, e tonam a vida dos cristãos no Norte da Nigéria cada vez mais difícil.

Portanto, mesmo quando não há uma agenda anticristã explícita, mas há simplesmente pressão pelo poder exclusivo, as hostilidades contra os cristãos podem ser classificadas como perseguição.

São 12 categorias distintas de fontes de perseguição, uma é relacionada ao governo e as demais são relacionados à sociedade. Veja as categorias abaixo.




  • Oficiais do governo - professores, policiais, autoridades locais, presidentes, etc.
  • Líderes de grupos étnicos - chefes tribais, etc.
  • Líderes religiosos não cristãos - imãs, rabinos, monges budistas, etc.
  • Líderes religiosos cristãos - papas, patriarcas, bispos, padres, pastores, etc.
  • Grupos religiosos violentos - Boko Haram, Hamas, Bodu Bala Sena (BBS) e Sinhala Ravaya (SR), etc.
  • Grupos de pressão ideológica - grupos de direitos LGBTQ+, direitos ao aborto, etc.
  • Cidadãos e quadrilhas - estudantes, vizinhos, lojistas, etc.
  • Parentes - membros diretos da família ou o círculo mais amplo de parentes.
  • Partidos políticos - seja no âmbito local ou nacional, por exemplo, Bharatiya Janata Party (BJP) na Índia, AKP na Turquia.
  • Grupos paramilitares – por exemplo, FARC, na Colômbia.
  • Redes criminosas – há vários cartéis na América Latina, Itália e outras partes do mundo.
  • Organizações multilaterais - organizações da ONU que defendem programas de educação sexual obrigatórios, contrários aos valores cristãos; OIC pressionando pela islamização do continente africano.


Os cristãos perseguidos contam com as nossas orações. Acesse os pedidos de oração diários na página ORE e seja um intercessor da Igreja Perseguida.

Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE