Leah Sharibu completa 18 anos ainda em cativeiro

A cristã foi sequestrada há três anos pelo Boko Haram na Nigéria

Hoje, Leah Sharibu completa 18 anos e a família da cristã continua esperançosa de rever a jovem. Há três anos, ela foi sequestrada pelo Boko Haram junto com outras 100 colegas da escola em Dapchi, estado de Yobe, na Nigéria. Porém, a cristã está mantida em cativeiro por ter se negado a renunciar à fé em Jesus.

Apesar do presidente da Nigéria, Muhammadu Buhari, ter prometido lutar pela libertação de Leah em 2018, durante uma visita aos Estados Unidos, a situação da cristã aparenta estar longe de ser resolvida, já que o governo nigeriano não manteve contato com a família.  

Em janeiro de 2020, surgiu uma notícia da Sahara Reporters que Leah tinha se tornado mãe de um menino, e o pai era um dos comandantes do Boko Haram. Na época, a família se pronunciou que estava interessada em ter a filha de volta, com ou sem o bebê.

Recentemente, surgiram novos rumores de que Leah tenha dado à luz a um segundo filho, mas não há provas concretas da informação. Diante dessa notícia, a família Sharibu preferiu não se pronunciar.

“Não há nada que vocês ouvirão de nós. Vocês podem escrever o que quiserem. Conformamo-nos ao destino, pois o governo federal se recusou a nos ajudar a garantir a libertação de nossa filha. Nós depositamos a esperança no Senhor, não mais no governo nigeriano”, a família afirmou aos jornalistas.

Onda de mortes e sequestros

Casos como o de Leah têm se tornado comuns na Nigéria, dominada por grupos extremistas. Enquanto os homens e jovens cristãos são mortos, as mulheres e meninas são sequestradas, forçadas a se converter ao islã e a se casarem com os jihadistas.

“As crianças nascidas no Boko Haram de mulheres em cativeiro são vítimas e o número delas é crescente. Isso apenas aumenta a urgência de resgatar as milhares de meninas, mulheres e crianças presas pelo Boko Haram”, afirma um porta-voz da Portas Abertas.

As ondas de sequestro na Nigéria são notícia nos principais jornais e revela a falha do governo em conter a ação de grupos extremistas no país. Por isso, o senador Smart Adeyemi afirmou que “a nação está em chamas” e precisa de pessoas que salvem o país, antes que ele seja destruído pelos radicais islâmicos.

Apoie cristãs na Nigéria

Assim como Leah, muitas mulheres já enfrentaram os ataques dos extremistas islâmicos e hoje precisam de aconselhamento pós-trauma e apoio financeiro para retomar a vida. Doe e colabore para que as nossas irmãs da Nigéria experimentem a provisão de Deus.

Pedidos de oração