Mesmo com igreja reduzida a cinzas, líder cristão continua confiando em Deus

Cristãos indianos já tinham enfrentado perseguição por causa da fé, porém, desta vez a igreja foi incendiada

Rohan* nasceu em uma família cristã na Índia. Pelo pai ser um líder cristão, ele cresceu consciente do antagonismo enfrentado no país. Quando fez 18 anos, Deus falou com ele as palavras de Isaías 43.1: “Não tema, pois eu o resgatei; eu o chamei pelo nome; você é meu”. “Deus despertou em mim uma sede por meio da palavra. Naquele dia, decidi dedicar minha vida para o ministério. Decidi ir onde quer que o Senhor me conduzisse para fazer sua obra”.

Alguns anos depois, Rohan deu início a uma igreja. Começou com um ministério para crianças e evangelismo pessoal até que, em 2008, havia cristãos suficientes na área para formar uma congregação. “Era a primeira igreja estabelecida entre não cristãos e lentamente começou a crescer. Inicialmente, não houve problemas, mas começamos a enfrentar oposição em 2012. Pessoas queriam que isso parasse. Nós sabíamos que haveria oposição, afinal um grupo anticristão estava a apenas três quilômetros de distância. Além disso, extremistas hindus costumavam interromper encontros e diziam que Cristo era um Deus estrangeiro, que não pertencia à Índia”, disse Rohan.

Mas, Rohan não estava preparado para o que aconteceu no ano passado. “Nós tivemos um encontro de oração na noite em questão. À meia-noite, meus vizinhos pediram para me avisar que a igreja estava pegando fogo. Quando ouvi a notícia, um arrepio passou pelo meu corpo. A igreja ficava a apenas dez minutos, mas quando cheguei lá, tudo estava reduzido a cinzas”, conta.

A igreja tinha sido deliberadamente incendiada. Tudo estava destruído. “Meu coração doía. Eu fiquei chocado ao ver as cinzas da igreja. Sentia cheiro de gasolina e líquidos químicos”, disse Rohan. A coisa que mais o machucou foi ver a Bíblia que usava para meditar e pregar queimando no fogo. “Eu fiquei triste. Outras coisas podíamos comprar, mas aquela Bíblia era preciosa para mim”.

Ainda assim, naquele momento, Rohan manteve a fé em Deus. “Naquele momento eu pensei: ‘Deus deu e Deus tomou. E agora, o que Deus fará?”. Mesmo depois disso, ele se recusou a parar de realizar os cultos. Já que não tinha mais um prédio, a congregação ergueu uma tenda e a usava para as reuniões. “Eu nunca pensei em desistir. Confiei que Deus agiria. Queria vê-lo me levar um passo adiante no ministério. Além disso, outros pastores me encorajaram, me lembrando que Deus é fiel à Igreja Perseguida”, explica.

*Nome alterado por segurança.

Pedidos de oração