Católicos querem que a mensagem de respeito aos judeus permaneça

| 06/11/2005 - 00:00


Estudiosos e teólogos católicos e judeus se reuniram em Jerusalém esta semana para marcar o 40º aniversário de um importante  documento da Igreja Católica, que absolve o povo judeu de ter matado Jesus Cristo.

Mas os estudiosos se disseram preocupados com o esquecimento da mensagem de respeito ao povo judeu pelas futuras gerações.

Acusados pela morte de Jesus e tidos como rejeitados por Deus, o povo judeu sofreu perseguição, pogrom (massacre genocida organizado), tortura e a morte nas mãos da Igreja Católica, entre outros, por 1.900 anos.

Mas uma mudança na doutrina católica oficial veio com a declaração do "Nostra Aetate", um documento aceito pelo Segundo Concílio do Vaticano em 28 de outubro de 1965. Ele abriu uma porta à amizade e diplomacia entre a Igreja Católica e o povo judeu.

Essa conferência em Jerusalém reuniu cerca de 100 participantes de oito países. Ela foi organizada em conjunto pelo Centro de Estudos do Cristianismo na Universidade Hebraica de Jerusalém e pela Fundação de Estudos Religiosos João XXIII em Bologna, Itália.

Falando na mesa redonda, o rabino David Rosen, diretor internacional de assuntos inter-religiosos no comitê judeu dos EUA, disse que o "Nostra Aetate" é uma das maiores "revoluções ideológicas".

David apontou que, aos olhos da Igreja Católica, o povo judeu foi tido por "condenado por Deus ... na verdade, como uma sociedade com o Diabo" desde o começo da igreja. Ele foi transformado pelo "Nostra Aetate" em um "querido irmão mais velho, amado pela Igreja".

O cardeal Walter Kasper, presidente da Comissão da Santa Sé de Relações Religiosas com os Judeus, disse que o "Nostra Aetate", chegando 20 anos depois do fim da Segunda Guerra, abriu o caminho para o arrependimento e condenação do Holocausto.

Embora haja uma relação única entre os cristãos e o povo judaico, Walter disse que o diálogo judaico-cristão em Jerusalém deve ser expandido para incluir os muçulmanos.

Cristãos no Oriente Médio

Walter disse ser difícil aos cristãos no Oriente Médio observar os princípios do "Nostra Aetate".

A maioria dos cristãos no Oriente Médio vive em países cujo governo não tem laços diplomáticos com Israel, como o Líbano, Síria e Iraque; ou em países como o Egito, onde as agências de notícias governamentais são conhecidas por seus sentimentos anti-semitas e anti-israelenses.

"É claro que isso é especialmente difícil nessas regiões onde o conflito é próximo", disse Walter. "A mente não está livre para pensar nessas questões".

O futuro

O professor Alberto Melloni, mestre de história na Universidade de Bolonha e participante da Fundação de Estudos Religiosos (Papa) João XXIII, se mostrou preocupado com o futuro.

Ao descrever o "Nostra Aetate" como um "texto humilde", ele afirmou que, apesar disso, o texto mudou a história das relações judaico-cristãs.

"Mas o futuro é um ponto de interrogação", Alberto disse. Ele também mostrou preocupação, caso a próxima geração decida que há coisas mais importantes na agenda da Igreja Católica Romana que as relações com os judeus.

"É muito complicado", Alberto resumiu. "As pessoas têm a idéia de que a missão está completa, mas ela não está toda pronta ... Precisamos prestar atenção nisso".

Nostra Aetate

De forma técnica, o "Nostra Aetate" pediu à Igreja Católica a revisão de seu relacionamento com todas as religiões não-cristãs. O budismo e o islamismo são citados pelo nome, mas as relações com o judaísmo e o povo judeu era o objetivo, estudiosos dizem.

"Conforme o sínodo sagrado procura nos mistérios da Igreja, ele lembra o contrato que liga espiritualmente o povo da Nova Aliança à descendência de Abraão ... A Igreja, desta forma, não pode esquecer que ela recebeu a revelação do Velho Testamento através do povo com quem Deus, em Sua inexprimível graça, concluiu a Velha Aliança", diz o documento.

O "Nostra Aetate" acrescenta: "A Igreja reprova, como sendo alheia à mente de Cristo, qualquer discriminação contra os homens ou a sua opressão por sua raça, cor, condição de vida ou religião".

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE