Egípcios se convertem ao cristianismo clandestinamente

| 25/04/2006 - 00:00


Recentes informações dão conta de como, apesar de no Egito ter sido declarado recentemente que é permitido no país o trabalho de missionários de todas as religiões monoteístas, as conversões ao cristianismo continuam sendo clandestinas. Um comunicado da agência EFE, relata o caso de Mary Tanagho, uma egípcia cristã de 20 anos cuja família vive há 24 anos nos Estados Unidos, devido ao fato de que a vida de seu pai corre perigo por ter divulgado um folheto dirigido aos fiéis muçulmanos.

Os policiais irromperam na clínica onde meu pai trabalhava no Cairo e o levaram à prisão, onde passou seis meses sem que lhe acusassem de nenhum delito, relatou Mary. Indicou que o folheto chegou não só aos egípcios, mas também a outros árabes, e conduziu a várias conversões de muçulmanos. O pai de Mary foi pressionado para que abandonasse toda atividade religiosa e, depois de receber ameaças de morte, abandonou o país.

Segundo afirmações de autoridades islâmicas, esta religião permite a prática de credos monoteístas, mas não os trabalhos de evangelização. O cristão tem o mesmo direito que o muçulmano para expressar sua religião em qualquer momento ou lugar, mas há uma diferença entre isto e incitar uma pessoa a seguir outra religião, assinalou o membro da Academia de Estudos Islâmicos de Azhar, Abdel Moti Bayumi.

A Constituição egípcia estabelece como religião oficial o Islã, praticada por 90 por cento da população. O restante, dez por cento, está formado por ortodoxos coptas, católicos coptas, ortodoxos armênios, católicos caldeus, maronitas e baháis


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE