Jovem é sentenciado por assassinato de clérigo católico

| 16/10/2006 - 00:00


O Tribunal Criminal de Trebizonda sentenciou, em 10 de outubro, o adolescente que matou a tiros um padre italiano na Turquia. O incidente aconteceu há oito meses na costa do Mar Negro.

O assassino foi sentenciado a 19 anos de prisão mas, segundo especialistas consultados pela imprensa turca, espera-se que o jovem réu cumpra apenas dez anos e meio da sentença.
 
Durante seu julgamento por homicídio, o menor foi identificado apenas por suas iniciais O.A.; na edição de 11 de outubro do jornal Radikal, o rapaz de 16 anos é chamado de Oguzhan Aydin.
 
O padre Andrea Santoro, 60, foi baleado duas vezes nas costas com um revólver Glock após a missa do domingo, 5 de fevereiro  (leia aqui). Ele estava ajoelhado diante do altar da paróquia católica Santa Maria, em Trebizonda. Embora duas testemunhas do assassinato não tenham visto o rosto do criminoso, elas o ouviram gritar as palavras de abertura da oração muçulmana: "Allahu akbar" (Deus é o maior).
 
Na nona e última audiência desse julgamento que começou em 5 de maio, feito a portas fechadas, o tribunal condenou Oguzhan por assassinato premeditado, posse ilegal de arma e colocar deliberadamente em perigo a ordem pública.
 
A corte o condenou, a princípio, à prisão perpétua, como pediu o promotor local no caso. Mas, como ele é menor de idade, a corte substituiu sua sentença para 18 anos, 10 meses e 17 dias de prisão, além de uma multa de 250 liras turcas (168 dólares).

Informações confidenciais
 
Oguzhan foi capturado pela polícia turca em 7 de fevereiro, dois dias depois que o revólver Glock, encontrado em seu poder, foi usado para disparar duas vezes nas costas do padre italiano, matando-o quase imediatamente.
 
Os funcionários da polícia turca e os líderes do governo afirmaram que todas as evidências apontavam para o fato de o incidente ter sido "um ato totalmente individual", apesar de os resultados da investigação policial e as transcrições do processo judicial permanecerem confidenciais.
 
O julgamento todo foi feito a portas fechadas, sendo apenas permitida a presença do pai dele, observando as audiências. A única testemunha italiana do crime não foi convocada para depor no tribunal, nem mesmo qualquer representante do governo italiano, ou da igreja católica.
 
"Recebemos informação apenas pela imprensa", o bispo Luigi Padovese, vicário apostólico em Anatólia da igreja católica romana na Turquia, disse à agência de notícias Compass. Mas, ele disse ter esperança de que o promotor de Trebizonda forneça por fim um texto com a decisão da corte à embaixada italiana em Ancara.
 
"Eu gostaria de ler o que o juiz escreveu sobre a sentença", Luigi disse, admitindo que quer saber em particular qual teria sido a motivação do assassino.
 
Durante os primeiros interrogatórios feitos com o suspeito, Oguzhan confessou ter assassinado o padre como uma vingança pelas charges do profeta Maomé.
 
O bispo também disse que ele queria uma explicação sobre como o jovem teria conseguido o revólver ilegal, uma arma bastante cara, produzida na Áustria. A imprensa turca afirmou, de maneiras diferentes, que a arma era propriedade do irmão mais velho do rapaz, ou de seu pai.
 
Segundo a agência de notícias Dogan, o rapaz disse ao tribunal no dia 10 de outubro, antes de sua sentença ser anunciada, que ele "havia se arrependido" do que tinha feito.
 
Mas, a família de Oguzhan reagiu com fúria à sentença, declarando aos jornalistas do lado de fora do tribunal de Trebizonda: "Não esperávamos essa pena. Vamos apelar à Suprema Corte. Isso não vai terminar aqui".
 
A mãe de Oguzhan disse: "Se meu filho está preso em favor do Estado, do povo, então que assim seja com minha bênção. Ele está preso por Alá". Ela e sua filha recitaram "Allahu akbar!" enquanto o culpado Oguzhan era levado às pressas, sob forte vigilância, para uma viatura da polícia que aguardava do lado de fora do tribunal. Do tribunal, ele foi levado de volta à prisão Bahcecik de Trebizonda.
 
Ataques anteriores

Houve outros três ataques a clérigos católicos na Turquia desde a morte de Andreas em fevereiro.
 
Alguns dias depois do assassinato em Trebizonda, um monge franciscano foi atacado e ameaçado por vários jovens turcos em Esmirna.
 
Na segunda semana de março, um jovem turco da cidade portuária de Mersin perseguiu dois clérigos e um grupo de jovens católicos dentro da igreja deles, amaldiçoando o cristianismo e ameaçando-os com uma faca de açougueiro, até que ele se rendeu à polícia local (leia aqui).
 
Em julho, um padre francês idoso em Mar Negro, foi esfaqueado por um muçulmano turco, mas sobreviveu. O agressor era conhecido por espalhar falsos boatos contra católicos e protestantes na cidade (leia aqui).
 
Na opinião de Luigi, o clima religioso contra os cristãos na Turquia piorou desde o assassinato de Andrea. Isso ele atribui a enganosos motivos religiosos e nacionalistas, que são atiçados pela mídia local.
 
"Sempre se fala nos jornais turcos sobre o papa, sobre os cristãos, sobre os missionários, e sempre são coisas negativas", Luigi disse.
 
A Turquia foi particularmente incisiva no mês passado em sua crítica às controversas declarações sobre o islamismo atribuídas ao papa Bento 16, que deve visitar o país por três dias no fim de novembro.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE