Sacerdote italiano é seqüestrado na ilha Mindanao

| 12/06/2007 - 00:00


A Conferência de Bispos Católicos das Filipinas implorou ao grupo que seqüestrou um sacerdote italiano no domingo para que o liberte imediatamente, segundo informações da imprensa local. Giancarlo Bossi, de 57 anos, foi capturado por um grupo de dez homens armados quando andava de moto por Mindanao, a maior e principal ilha do sul das Filipinas, na aldeia de Bulawan, província de Zamboanga Sibugay.

Imploramos aos seqüestradores: por favor, libertem o missionário. Nós rezamos para que o libertem o mais rápido possível, de modo que possa retornar para ajudar nosso povo, afirmou o porta-voz da organização, Pedro Quitorio.

Nossas forças seguem o rastro dos seqüestradores do padre Bossi, e acreditamos que continuam na região de Sibugay, afirmou hoje o superintendente da Polícia Francisco Cristóbal.

Ninguém reivindicou a autoria do seqüestro nem pediu resgate por sua libertação, segundo o comandante-geral Nehemias Pajarito. Os investigadores atribuíram o crime a ex-membros dissidentes da Frente Mouro Islâmico de Libertação (MILF). O principal suspeito é Abdusalam Akiddin, conhecido como comandante Kiddie,  que se separou do grupo MILF.

A MILF, principal movimento rebelde do sul das Filipinas, negou qualquer envolvimento do seqüestro e ofereceu ajuda ao governo.

O padre Giancarlo Bossi trabalha como missionário na região há 10 anos, sob a direção do Instituto Pontifical das Missões Estrangeiras (PIME). Trata-se do terceiro sacerdote italiano seqüestrado nesta região de Mindanao em nove anos.

Primeiro foi o padre Luciano Benedetti, em 1998, em Sirawi, um seqüestro que durou dois meses. Depois veio o rapto de Giuseppe Pierantoni, em Dimataling, em 2001, cujo cativeiro durou seis meses.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE