Muçulmanos pedem desculpas por ataque em Punjab

Os radicais muçulmanos que atacaram uma igreja cristã no mês passado, em Punjab, se desculparam pelo ocorrido e ofereceram uma compensação por terem insultado os cristãos e danificado o prédio.

Na noite de 17 de junho passado, extremistas muçulmanos armados com pistolas, machados e bastões de madeira atacaram a igreja do Exército da Salvação em Chak 248, ao norte de Faisalabad, porque os cristãos se recusaram a cancelar o encontro.

Os extremistas destruíram livros da igreja e sete cristãos sofreram escoriações e fraturas expostas (leia mais).

Os agressores admitiram que um muçulmano planejou incendiar uma página do Alcorão – que pela lei paquistanesa é punida com prisão – para incriminar a comunidade cristã.

"Nós pedimos desculpas e prometemos que isso não irá se repetir”, disse Faizur Rehman, um dos 41 muçulmanos inicialmente acusados de atacar a igreja, em depoimento formal feito no dia 28 de junho.

“O povo cristão já os perdoou”, disse o advogado Khalil Tahir Sindhu, representante da comunidade cristã local, em entrevista ao Compass.

Ele testemunhou o encontro entre políticos muçulmanos e 12 cristãos, em que ambas as partes se acusaram mutuamente de instigar a violência. Khalil disse que os cristãos aceitam as desculpas, mas se negam a fazer um acordo para que os agressores não sejam punidos.