Equipe da Portas Abertas traz informações dos atentados em Orissa

Uma série de ataques contra cristãos em diversos bairros do distrito de Kandhamal já vem acontecendo desde a véspera de natal do ano passado até hoje. Fundamentalistas hindus planejaram cuidadosamente os ataques e usaram estratégias para atrair grupos de moradores das vilas a ficarem contra os cristãos ( leia mais).

As estratégias foram:

• Fazer prevalecer as diferenças de castas existente entre as duas comunidades. Os kui (uma tribo não cristã, praticante do animismo que é privilegiada com vários benefícios do governo) tiveram seus ânimos atiçados contra as pessoas da comunidade pana (de maioria cristã), de herança kui lingüística e cultural. Os panas não recebem os mesmos benefícios governamentais que os kuis. O conflito entre as duas comunidades começou porque os panas exigiram os mesmos benefícios e os kui se opuseram a isso. O impasse também gerou um sentimento anticristão, uma vez que os panas são, em sua maioria, cristãos.

• Começar uma campanha anticonversão, falando mal de tribos cristãs e pessoas de outras origens. A campanha gerou uma atmosfera de suspeita em relação à comunidade cristã e um sentimento antiminorias em larga escala.

Antecedentes da violência:

Os fundamentalistas escolheram o dia 25 de dezembro, feriado mais importante da cristandade, para dar andamento à questão do problema étnico, baseado no sistema de castas (leia mais). Eles distribuíram uma comunicação a todos os comerciantes do distrito de Kandhamal para que fechassem suas lojas em protesto a uma recente decisão legal em favor da comunidade pana.

Eles também planejaram uma grande passeata para o mesmo dia. Como a situação se tornou bastante delicada para todos, líderes rurais de várias vilas pediram à administração do distrito que protegesse os cristãos por causa do feriado e que autorizasse as lojas a permanecerem abertas para as compras de Natal; as permissões foram dadas.

Apesar disso, os fundamentalistas quiseram assegurar a obediência às suas ordens e insistiram que as lojas fossem fechadas também no dia 24 de dezembro. Eles atacaram dois jovens cristãos em Brahminigaon para insistir em seu ponto de vista. Irados com a situação, jovens cristãos empurraram os extremistas. Uma hora depois os homens voltaram em maior número, armados com revólveres, espadas e outras armas.

Eram centenas de fundamentalistas que incendiaram lojas de cristãos e saquearam, incendiaram e destruíram casas e igrejas. Na tarde seguinte, um importante líder hindu, Lakhanand Saraswati, entrou em Dasingbadi, uma localidade onde os cristãos são maioria e pediu aos cristãos que parassem de tocas músicas de Natal.

Isso aumentou ainda mais a raiva dos cristãos. Lakhanand e sua equipe foram convidados a se retirarem da vila, mas a mídia aumentou muito o ocorrido. A polícia e a mídia se envolveram para espalhar falsa propaganda e aumentar o ardor extremista contra os cristãos.

Depois do primeiro ataque a Brahminigaon, vários quarteirões do distrito administrativo de Kandhamal sofreram com a violência de 24 a 27 de dezembro. Várias propriedades de cristãos foram destruídas, incluindo paróquias, igrejas de vilas, conventos, presbitérios, albergues, um centro de treinamento vocacional, um leprosário e centenas de casas.

Pelo menos 697 propriedades de cristãos foram destruídas ao total, de acordo com uma equipe responsável pela apuração dos fatos que visitou a área na primeira semana de janeiro. Quatro pessoas foram assassinadas. As áreas de Barkhama e Brahminigaon foram onde os cristãos mais sofreram. Somente em Barkhama, 372 famílias cristãs tiveram suas casas destruídas.

De acordo com o relatório da Comissão Nacional para as Minorias, “uma destruição desse tamanho em áreas de difícil acesso não pode ter acontecido sem preparação e planejamento antecipados. A força de trabalho e a logística exigidas para destruir tantas propriedades de cristãos são imensas”. O planejamento meticuloso ficou evidente quando quadrilhas de 3.000 homens passavam por localidades espalhando destruição.

Eles estavam armados com tridentes, machados, bombas caseiras e querosene. Os cristãos tiveram que se refugiar em uma floresta próxima para salvarem suas vidas. Os cristãos foram privados de todos os seus bens, deixados desabrigados e confusos. Os hindus também sofreram com a retaliação, mas em uma escala bem menor. O governo forneceu ajuda prontamente, mas ainda há muito a ser feito.

Motivos de Oração:

1. Ore para que a Portas Abertas realize a avaliação de danos em todos os locais do distrito de Kandhmal para que possamos fornecer a melhor ajuda possível à comunidade cristã afetada.

2. Ore para que tenhamos sucesso no aconselhamento dos líderes cristãos de maneira que eles vivam novamente de maneira amigável com seus vizinhos.

3. Por favor, ore pela liderança cristã local, para que eles possam agir de maneira positiva no restabelecimento da normalidade na região.