Novo cristão tem casamento anulado por tribunal islâmico

| 11/06/2008 - 00:00


Um tribunal islâmico jordaniano dissolveu o matrimônio do ex-muçulmano Muhammad Abbad al-Qader Abbad por causa da conversão dele para o cristianismo. Em março ele deixou a Jordânia com a esposa e os dois filhos depois de ter sido severamente agredido. O pai dele ainda exigia a custódia dos netos ( relembre o caso).

" O matrimônio depende do credo (da religião) e o apóstata não tem credo", afirmava um documento datado de 22 de maio com os motivos alegados pelo tribunal para a anulação do casamento. O texto dizia ainda que o juiz Faysal Khreisat havia comprovado a veracidade da apostasia de Muhammad Abbad.

O Código Penal da Jordânia não prevê punição para apostasia e a Constituição do país garante a liberdade de religião, conforme a Convenção Internacional de Direitos Civis e Políticos que deu força à lei no país em 2006.

O islã, que é a religião oficial da Jordânia, proíbe a conversão a outro credo. Tribunais islâmicos (em que é aplicada a sharia, ou seja, a lei islâmica) regem a vida familiar e por isso o cristão foi condenado por apostasia e teve retirados todos os seus direitos legais.

"Eu não podia vencer o caso enquanto insistisse que me converti ao cristianismo", escreveu Abbad assim que chegou a um país europeu, onde recebeu asilo político.

Internação: algemado à cama

Abbad e o filho, que completou 10 anos, foram violentamente agredidos na casa deles no dia 23 de março, por parentes de outro convertido ao cristianismo. Abbad sofreu danos na cabeça, no tórax e ficou com o olho direito sangrando, de acordo com o boletim médico do Hospital Universitário da Jordânia.

Quando Abbad foi à delegacia de polícia registrar uma ocorrência, no mesmo dia, encontrou o pai lá, exigindo a custódia dos filhos dele. Abbad se recusou a se reconverter ao islã.

Devido à agressão sofrida na prisão, Abbad desmaiou por duas vezes, o que acabou obrigando a polícia a enviá-lo para o hospital, onde ele passou a noite algemado à cama.

Ele só foi solto depois que um parente pagou a fiança dele. Foi quando alguns advogados o aconselharam a deixar a Jordânia, alegando que ele não tinha nenhuma chance de ganhar o caso e corria o risco de perder a guarda dos filhos.

Outros casos

Em novembro de 2006 um tribunal de Aman condenou um ex-muçulmano por apostasia, tirando os direitos legais dele e também anulando o seu matrimônio. Ele e a família foram para os Estados Unidos na condição de refugiados.

De acordo com a ONG Preocupação com o Oriente Médio desde então pelo menos três outros convertidos ao cristianismo foram acusados por apostasia na Jordânia. A histórica comunidade cristã é formada por ortodoxos, católicos e um número menor de protestantes ( cerca de 4% da população).

O número exato de convertidos muçulmanos para o cristianismo no país é desconhecido. Muitos optam por se manterem discretos para evitar molestamentos.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE