Cristão iraniano é preso sem qualquer acusação

A onda de detenções contra cristãos nas últimas semanas continua. Em Teerã, o líder de uma igreja doméstica foi detido e torturado por suas atividades religiosas. Oito policiais prenderam Mohsen Namvar, de 44 anos, da casa dele no dia 31 de maio, e se recusaram a informar o motivo e a acusação para justificar a prisão.
O paradeiro dele permanece desconhecido. Os oficiais confiscaram vários pertences pessoais do cristão tais como o computador dele, a impressora, CDs, livros e dinheiro.

Um pastor iraniano, que reside fora do país, contou que Mohsen já previa que a polícia viesse capturá-lo e por isso disse: “Eu sei que se eles decidirem me matar como um mártir, você cuidará da minha esposa e dos meus filhos."

Conhecidos advertiram Mohsen Namvar de que o nome dele havia sido citado durante interrogatórios policiais a cristãos na cidade de Amol, em abril.

Cristãos presos e torturados

O pastor que reside no exterior contou que os funcionários do governo detiveram vários cristãos em Amol, que fica a 80 milhas a nordeste de Teerã, libertando-os apenas nas semanas seguintes.

O tratamento de cristãos mantidos sob custódia segue um padrão habitual, ressaltou o pastor. “As autoridades os mantiveram na prisão durante algumas semanas e bateram neles na tentativa de conseguirem informações sobre outros convertidos.”

Depois das apreensões, um amigo de Amol visitou Mohsen Namvar para o advertir de que a polícia estava mantendo-o em constante vigilância. "Eles o prenderão e o matarão”, disse esse colega da cidade de Amol.

Seqüelas da tortura

A polícia havia previamente detido e torturado Mohsen Namvar porque ele havia batizado ex-muçulmanos convertidos ao cristianismo.

Por causa disso, ele ficou vários meses sem poder andar porque a polícia aplicou choques elétricos em suas costas na primavera de 2007.

"Você não deve evangelizar muçulmanos, você não deve fazer reuniões em sua casa", disseram-lhe os policiais na época, de acordo com o pastor que reside fora do Irã. "Eles também disseram: “Se você continuar fazendo isto, nós o mataremos.""

Depois de uma bem sucedida cirurgia, Mohsen voltou a caminhar, mas sofre de dores quando se senta por um longo período de tempo.

Sabe-se ainda que um convertido cristão de Amol foi preso com a esposa dele no final de abril e libertado no dia 31 de maio.

Os policiais lhe exigiram que a fiança fosse um depósito baseado no valor monetário da casa dele. A esposa grávida do convertido foi libertada depois de três dias. Esse cristão foi informado de que um processo havia sido aberto e que ele poderia ser chamado ao tribunal a qualquer momento.