China aperta liberdade de expressão dos estrangeiros

O Comitê Olímpico Chinês divulgou uma lista de proibições válida para todos os visitantes neste mês. Quem usar símbolos religiosos e políticos ou comer carne de cachorro será detido.

Pessoas que gostam de usar pulseiras tibetanas ou imitar Richard Gere e dar um arroto depois de comer um bife mal passado de carne de cachorro, estarão proibidas de entrar na China.

Estas são algumas das dezenas de proibições impostas pelo governo chinês aos estrangeiros que visitarem o país durante os Jogos Olímpicos, que começam no dia 8 de agosto.

O documento de nove páginas colocado on-line pelo Comitê Organizador dos Jogos de Pequim – intitulado “Guia da lei chinesa para os estrangeiros que virão durante a Olimpíada”, apresenta em 57 tópicos todos os comportamentos considerados impróprios pelo regime comunista.

Como dormir na rua, participar em manifestações, usar roupa ou acessórios com slogans políticos e religiosos ou visitar “certas regiões” da China. Um exemplo é o Tibete, que foi considerado “fora dos limites”, especialmente para os jornalistas.

Desta forma, o governo procura minimizar o impacto das manifestações pró-Tibete que, inevitavelmente, irão ocorrer durante agosto em Pequim.

Entraves e burocracia

Nos últimos meses, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês tem criados vários entraves à emissão de autorizações de entrada ou permanência a cidadãos estrangeiros.

Todos os visitantes que ficarem na casa de residentes chineses em zonas urbanas têm que se apresentar às autoridades 24 horas depois da sua chegada. E, no caso de ficarem em áreas rurais, 72 horas.

Ainda assim, o governo chinês espera a chegada de 500 mil pessoas até dia 28 – data do final dos Jogos Olímpicos.

Fora da polêmica, mas sempre perto dela, está o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Jacques Rogge. Ele mantém válidas para hoje as mesmas afirmações que fez em abril: “A liberdade de expressão é algo de absoluto.”

E acrescentou, prevendo que estas restrições se estendessem também aos participantes: “É um direito humano. Os atletas têm-no.”

Segundo o mesmo guia, estão ainda proibidos de entrar na China, ladrões, prostitutas, traficantes de droga e todas as pessoas com “doenças mentais”.

O lema dos Jogos Olímpicos deste ano é “Um mundo, um sonho”.

Proibições aos visitantes:

- Dormir ou arrotar na rua, pois o governo pretende “manter a higiene pública e a imagem cultural das cidades”

- Promover ou participar de manifestações públicas

- Usar camisetas ou acessórios com palavras ou símbolos políticos e religiosos

- Queimar, pisar ou insultar a bandeira chinesa

- Todos os materiais que sejam prejudiciais à política, economia, cultura e moral chinesas

PS: Hoje é o quarto dia da nossa Campanha de Oração pelos chineses. Leia aqui os pedidos.  Conheça mais sobre a questão da liberdade religiosa na China em nosso especial, basta clicar aqui.