Lições de encorajamento de um irmão butanês

Nesse fim de semana, o vice-presidente de desenvolvimento da Portas Abertas Internacional, Mike Burnard, esteve no Brasil para compartilhar algumas experiências da Igreja Perseguida com os nossos Correspondentes Locais, em um evento que aconteceu em Ibiúna (SP). Leia abaixo o trecho em que ele fala de um cristão butanês perseguido por sua fé em Jesus:

“Há alguns meses estive no Butão e um irmão compartilhou comigo uma experiência de vida que falou muito ao meu coração. Ele tentou fazer uma reunião cristã e ouviu das autoridades locais: “Negue Jesus ou saia do país.”

Disseram também para ele que, caso saísse do país, arrancariam os corpos enterrados de todos os seus familiares mortos. Ele se manteve firme.

Começaram a batê-lo até que ele ficasse inconsciente. Nos 18 dias seguintes, a polícia repetia o massacre. Reunia a vila toda e espancava Filemon até que ele ficasse inconsciente.

Naqueles 18 dias em ele foi espancado em frente à cidade, ele me contou o que sentia. As palavras daquele irmão sempre vão ficar comigo. Ele disse: “Mike, em cada um daqueles dias que eu era açoitado, eu me esforçava para sorrir. Eu não queria que os cristãos do local se tornassem desencorajados.”

Percebam meus irmãos: a primeira preocupação dele não era para com os seus machucados, nem com a dor, com as seqüelas que podia ter, nem com a humilhação. Não era querer entender por que Deus havia permitido que ele estivesse lá naquela situação.

A preocupação daquele irmão era com aquilo que as pessoas estavam vendo através dele. Era desfazer aquela tentativa maligna das autoridades de desencorajar os demais cristãos em sua caminhada com Cristo a partir daquele exemplo.”

Esse foi apenas um dos testemunhos que Mike Burnard nos trouxe do exterior. Nos próximos dias, vamos publicar outras experiências da Igreja Perseguida que têm muito a ensinar à Igreja Livre.