Coptas presos novamente no assassinato em Abu Fana

| 18/06/2009 - 00:00


A polícia libertou este mês dois coptas erroneamente presos por matar um muçulmano durante um ataque no monastério de Abu Fana no Egito em maio de 2008, entretanto os prenderam novamente como parte de uma campanha de intimidação contra cristãos, disse o advogado deles.

O mais inquietante para os cristãos em custódia é que o destino deles será decidido provavelmente fora do sistema judicial, em "reuniões de reconciliação". O promotor estatal que investiga o caso não anunciou os resultados de suas buscas pela verdadeira identidade do assassino, já que ele está esperando o resultado da conversa “fora-de-tribunal” entre os coptas e os muçulmanos locais.

Os irmãos Refaat e Ibrahim Fawzy Abdo ficaram encarcerados durante um ano. No dia 3 de maio os dois irmãos foram libertados sob fiança, mas o Serviço de Segurança Estatal Minya emitiu uma nova ordem de detenção e os prenderam no dia 20 de maio por "razões de segurança." Forças de segurança egípcias podem encarcerar as pessoas sem razão de acordo com decisões em lei criminal.

Um tribunal criminal no Cairo ordenou a liberação dos irmãos Fawzy Abdo duas vezes, mas toda vez o ministério interior emitiu outra ordem de prisão. Grupos de advocacia dizem que o ministério interior está trabalhando com a polícia local e o oficial investigador os mantém detidos, força uma confissão e faz os coptas parecerem culpados do ataque ao Abu Fana.

"A polícia os prendeu por motivo de ‘questões de segurança’ apesar de nenhuma evidência", disse Ibrahim Habib, presidente dos Coptas Unidos da Grã Bretanha. "Eles estão confortando os islamitas usando os cristãos como bodes-expiatórios."

Os dois homens trabalhavam como empreiteiros nas paredes do monastério Abu Fana no Egito Superior quando aproximadamente 60 muçulmanos residentes armados atacaram em maio de 2008. O ataque deixou um muçulmano morto e quatro cristãos feridos, e dois de três monges sequestrados foram torturados.

Cinco dias depois dos ataques, forças de segurança prenderam os irmãos Fawzy Abdo, culpando-os de assassinato. Em novembro eles foram enviados para o acampamento detenção El Wadi El Gadid perto da fronteira Egito-Sudão e os torturaram como autoridades que tentaram extrair uma falsa confissão de assassinato, disse o advogado deles.

Minya Gov. Ahmed Dia el-Din reivindicou que o muçulmano assassinado no Abu Fana foi assassinado por um dos irmãos a 80 metros de distância. Mas o advogado dos irmãos coptas, Zachary Kamal, disse ao Compass que uma autópsia mostrou uma bala disparada de uma distância curta.

Os dois homens enfrentaram condições extremas em prisão como prisão solitária e dentes quebrados por golpes, e não lhes permitiram ver suas famílias, que estão suportando sofrimento extremo. Refaat Fawzy Abdo tem seis crianças e Ibrahim Fawzy Abdo tem sete; ambos os cristãos são os ganha-pães de suas casas.

Reconciliação em vez de Justiça?

Reuniões de reconciliação com muçulmanos da região continuam com a participação de negociantes coptas, a diocese de Mallawi, um sócio de Parlamento e advogado Kamal, tudo debaixo dos patrocínios da polícia.

Tais reuniões são um pouco habituais no Egito nas quais diferentes grupos se reúnem para resolver assuntos legais fora do tribunal. Eles têm um propósito social de restabelecer a fé e a harmonia comunal em face de tensões sectárias.

Kamal disse que ele não se opôs a uma reunião de reconciliação em vez de canais judiciais normais, mas aquelas condições da discussão eram inaceitáveis. As autoridades querem que os irmãos admitam o assassinato do muçulmano e que os coptas paguem compensação à família da vítima.

"Eles querem que os coptas aceitem a culpa, mas isso significa que eles levarão o sangue da vítima pelo resto de suas vidas", disse Kamal.

Outros coptas se preocupam porque as reuniões são um substituto para a justiça administrativa, e a polícia está usando os irmãos como uma ferramenta de barganha para forçar os monges de Abu Fana a jogar a culpa contra os muçulmanos locais e cancelar a investigação do ataque.

"Os irmãos ainda estão cativos porque eles estão sendo usados como uma ficha de negociação”, disse Samia Sidhom, editor inglês do periódico semanal  cristão-egípcio Watani. "Os esforços de reconciliação são para fazer os monges mudarem seu testemunho. Se eles o fizerem, os irmãos serão libertados."

Sidhom disse que os líderes coptas de igreja entraram em negociações com os muçulmanos e políticos locais e desistiram dos seus direitos legais porque obter justiça no sistema legal egípcio inclinado ao islâmico é muito difícil.

"Tipicamente um copta ou suas propriedades são atacados, e o único modo para a polícia para evitar castigar os culpados é através dessas reuniões de reconciliação onde os coptas desistem de qualquer direito legal que eles têm", disse Sidhom.

Funcionários estatais, contudo, disseram que os coptas estão sobrepondo afirmações de perseguição religiosa sobre um argumento simples a respeito de propriedade. O governador de Minya disse que os ataques não eram religiosos, mas foram provocados por uma disputa de terra existente há muito entre os monges e beduínos locais.

Os motivos para os ataques em maio de 20 contra o monastério, situado a 200 quilômetros (124 milhas) ao sul do Cairo, ainda são desconhecidos. Os grupos de advocacia copta afirmam que os ataques foram motivados pela crescente hostilidade contra a comunidade cristã egípcia.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE