Missionários são soltos por falta de evidências

Oito, dos dez missionários americanos detidos no Haiti, deixaram a prisão na última quarta-feira, dia 17. Um juiz haitiano assinou a ordem para libertá-los e afirmou que não encontrou evidências de intenção criminosa. Duas integrantes do grupo ainda permanecem detidas para interrogatório. A líder do grupo, Laura Silsby e Charisa Coulter serão interrogadas sobre suas viagens anteriores ao Haiti.

A maioria do grupo pertence a uma igreja batista americana de Idaho. O grupo foi preso na fronteira com a República Dominicana, acusado de retirar do Haiti 33 crianças sem documentação e autorização. As crianças foram apresentadas como órfãs do terremoto ocorrido em janeiro no Haiti. Os missionários negaram o seqüestro e afirmaram que tentavam ajudar as crianças. Informações posteriores deram conta de que vários dos menores tinham os pais vivos e foram eles que entregaram seus filhos na esperança de que tivessem melhores condições de vida no exterior.