"Bug da esperança" enquanto votação do Sudão se aproxima do

| 17/01/2011 - 00:00


Haverá muitos desafios pela frente, para a maioria cristã do Sul do Sudão, enquanto a região conclui sete dias de votação para um país dividido ou unido, disse um consultor da Visão Mundial.

O Consultor de Política da Visão Mundial, Jesse Eaves, retornou à região sul do Sudão, quarta-feira. Ele relatou ter capturado o "bug da esperança" depois de observar as eleições e fazer os preparativos para o futuro.

"Uma coisa que eu encontrei foi que todosesmagadoramente esperançosos, não importa qual fosse o resultado do referendo estava todo mundo muito animado para ter a chance de escolher o seu futuro," disse.

O referendo

O referendo histórico conclui sábado. O país Africano ultrapassou em muito o exigido de 60 por cento de participação dos eleitores para tornar os resultados válidos. As autoridades americanas anunciaram o referendo como uma demonstração de progresso.

Embora tenha havido alguma violência, o ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter, cuja organização está acompanhando o referendo em Juba, disse do processo, "Há relatos quase uniforme de que ele tenha sido um processo tranquilo e pacífico."

Por duas décadas, o passado do Sudão esteve sobrecarregado de guerra pela posse da terra, dos direitos do petróleo e de controle entre a maioria muçulmana do norte e o sul cristão e animista. Conflitos religiosos, bem como os étnicos e econômicos ceifaram a vida de mais de 2 milhões de sulistas e eliminaram cerca de 500 Igrejas. Tem também deslocado um adicional de 4 milhões de pessoas.

A promulgação Acordo de Paz Global de 2005 encerrou duas décadas de guerra civil entre a população polarizada e pavimentou o caminho para a votação desta semana.

O referendo, que começou domingo, é uma votação em que o povo do Sul do Sudão vai decidir se quer ou não quer se separar e formar um novo país. Para muitos, a separação significa uma chance de paz prolongada.

As implicações da votação, explicou Eaves, são enormes. "Tudo se resume em saber se um novo país será formado ou não no fim deste processo," disse ele.

Antes que a região pode triunfar, como uma nação de liberdade religiosa e liberdade, Eaves afirmou que Sudão do Sul teria de tomar as medidas necessárias para a construção da nação. Esses passos incluem a construção de um governo e desenvolver um país habitável e seguro. Isso provavelmente vai ser um desafio para o sul, pobre e subdesenvolvido.

"As implicações são que você teria que criar não somente um governo totalmente novo mas teria que construir a infra-estrutura no Sudão do sul e você assumiria todos os encargos que vêm com o funcionamento de um país que ainda é muito pobre," aconselhou ele.

Disse-se que o Sudão do Sul tem 239.285 milhas quadradas com 11 a 13 milhões de pessoas. "Estamos falando de uma área que é maior que o tamanho do Texas, mas há apenas algumas dezenas de quilômetros de estradas pavimentadas," disse Eaves.

O Sudão

No fim de 2004, havia comunidades de pessoas deslocadas, onde muitos viviam em folhas de plástico. A partir de 2009, o país lutou com acesso a água potável. Especificamente no Sudão do sul, apenas 30 por cento da população rural têm acesso à água potável, de acordo com a Visão Mundial.

E com pouco acesso à água e alimentos, as pessoas da região sofrem problemas graves de saúde e fome.

A seca constante tem dificultado a produção vegetal levando à desnutrição. A má qualidade da água levou a diarréia, malária e infecções pela água. Além disso, quase 350 mil pessoas estão vivendo com HIV e AIDS.

Eaves está também muito preocupado com as crianças sudanesas. "As crianças no Sudão são algumas das crianças mais vulneráveis do mundo," afirmou. Mais da metade da população está abaixo dos 18 anos e uma em cada sete crianças morre antes dos cinco anos.

"As dificuldades de longa data de extrema pobreza - a falta de acesso aos alimentos e problemas extremamente terríveis de saúde materna - terão anos necessários de esforços focados tanto por parte do governo do Sudão do Sul."

Há alguma esperança. O Sudão do Sul também é lar de 85 por cento do petróleo do país. No caso de uma separação, o petróleo pode ser uma grande ajuda.

A região também recebe um grande apoio das Américas, principalmente Cristãos, disse Eaves. A Visão Mundial está ativamente fornecendo alimentos em conjunto com o Programa Mundial de Alimentos, postos de saúde, ajuda agrícolas e escolas.

O evangelista Franklin Graham e Samaritan"s Purse, estão realizando obras de relevo semelhantes. Ele também está trabalhando para construir 419 Igrejas para substituir aquelas que foram perdidas, distribuir 260 mil Bíblias em seis línguas e treinar 10.600 crentes das Igrejas locais para servir como líderes de estudo da Bíblia.

"O apoio internacional também vai ser absolutamente crucial para a manutenção da paz," sublinhou Eaves.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE