Conflito entre cristãos e muçulmanos coloca Costa do Marfim no foco mu

| 01/04/2011 - 00:00


A guerra na Líbia e as sublevações populares na Tunísia e no Egito deixaram em segundo plano as crises na outra África, a África Subsaariana, e em particular na Costa do Marfim.

Junto com o Brasil, a Costa do Marfim tem uma característica singular: os dois países são os únicos, dentre os 193 existentes atualmente, que tem um nome tirado de uma antiga mercadoria colonial. Como o Brasil, a Costa do Marfim recebeu seu nome dos portugueses que, até o final do século 16, foram os únicos europeus presentes na região.

Independente desde 1960, quando houve o grande movimento de descolonização francesa na África Subsaariana, a Costa do Marfim sempre manteve laços estreitos com a França, por obra e graça de seu primeiro presidente, Houphouet-Boigny.

Na realidade, Houphouet-Boigny se manteve no posto, de maneira ditatorial, de 1960 até a sua morte, em 1993. Sua imbricação com os interesses políticos e econômicos franceses, que controlam a comercialização do cacau e do café, principal riqueza do país, tornou-se proverbial.

Durante anos, o país foi próspero. Mas, a partir de meados dos anos 1980, a economia estagnou, devido à secas e à queda dos preços do café e do cacau, trazendo problemas sociais, motins militares e tensões étnicas e religiosas. As populações do Norte do país são majoritariamente muçulmanas, enquanto as do Sul são em geral cristãs.

Tropas da ONU mantêm uma paz precária no país desde 2002. Presidente em exercício a partir do ano 2000, Laurent Gbagbo, cristão e com suas bases eleitorais no Sul, enfrentou Alassane Ouattara, muçulmano muito popular no Norte do país, nas presidenciais de setembro e outubro do ano passado.

Conforme a comissão eleitoral independente da Costa do Marfim, Ouattara foi o vencedor das eleições. Apesar de tudo, Gbagbo não cedeu à presidência a Outtara, que também foi reconhecido como vencedor das eleições pela ONU, a União Europeia e os Estados Unidos.

Seguiram-se os conflitos que mergulharam o país em enfrentamentos armados. Nesta semana, o Conselho de Segurança da ONU votou, por unanimidade, sanções contra Gbagbo e sua família, instando a “retirar-se imediatamente” da presidência.

Nos últimos dias, as forças legalistas que apoiam Ouattara tomaram Yamoussoukro, capital constitucional do país, e acentuam o cerco à Abidjan, capital econômica, onde se encontra Gbagbo e seu estado-maior.

O embate entre cristãos e muçulmanos dá uma dimensão internacional à crise na Costa do Marfim. O conjunto da população da África subsaariana compõe-se de 57% de cristãos e 29% de muçulmanos. Mas nos países acima da bacia do Congo, as proporções são mais próximas e as clivagens internas mais nítidas, como na Nigéria e no Sudão, onde surgiram conflitos sangrentos entre as duas comunidades.

Não sabemos quais serão as consequências desse conflito para cristãos e muçulmanos da Costa do Marfim. Dependendo do resultado pode gerar perseguição e segregação de um grupo pelo outro ou mesmo desencadear conflitos político-religiosos em outros países do norte da África e África Subsaariana onde exista essa divisão.

Oremos para que os conflitos não gerem derramamento de sangue e perseguição. Ore para que Deus traga paz e realize Sua vontade nessas áreas afetadas pela violência.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE