Nova lei restringe ainda mais o cristianismo

| 29/08/2016 - 00:00


29_Maldives_2013_0430100332

O Parlamento das Maldivas adotou recentemente a nova lei de difamação, o que despertou a atenção e gerou críticas por parte de vários outros países. Tendo em conta os estreitos laços entre Maldivas e Arábia Saudita, é possível que a nova lei venha prejudicar ainda mais a liberdade religiosa e deva ser usada para atingir os cristãos de forma mais certeira, ou seja, com o amparo da lei que propõe multas pesadas e até mesmo prisão por difamação.

Para protestar a decisão do governo, cerca de 50 manifestantes se reuniram próximo ao escritório do presidente das Maldivas, Abdulla Yameen, ocasião em que vários jornalistas acusavam o governo de sufocar a liberdade de imprensa. Policiais maldívios interromperam o protesto usando spray de pimenta para dispersar os ativistas. No total, 19 pessoas foram presas durante a operação.

O governo, que sempre protegeu o islã, já havia instituído um conjunto de leis para proibir a conversão de cidadãos maldívios para outra religião, pressionando-os com a ameaça de que poderiam perder até mesmo sua cidadania. É por isso que, oficialmente, os únicos que são reconhecidos como “praticantes do cristianismo” são os expatriados. A lei de difamação vem apenas para reforçar que ser cristão nas Maldivas é proibido, inconstitucional e também considerado um crime. Ore por essa nação.

Leia também
Maldivos se reúnem em igrejas subterrâneas
Cristãos maldívios enfrentam sérias dificuldades


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2022 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE