Número de deslocados internos no mundo chega ao recorde de 38 milhões

Portas Abertas • 14 mai 2015


14_Internacional_0380100768

Apenas no ano de 2014 foram registrados 11 milhões de deslocados, o que significa 30 mil pessoas por dia, segundo o relatório do Centro de Vigilância de Deslocados Internos (IDMC, sigla em inglês), uma ONG norueguesa.

""Estes são os piores números de deslocamentos forçados em uma geração, o que evidencia nosso fracasso absoluto em proteger civis inocentes"" disse Jan Egeland, secretário-geral do Conselho Norueguês para Refugiados (NRC, sigla em inglês).

""Há duas grandes áreas no mundo que estão particularmente afetadas pelas pessoas deslocadas: Oriente Médio e norte da África, de um lado, e a região subsaariana, do outro"", acrescentou. No total, o IDMC analisou a situação em 60 países.

""Uma das principais razões que explicam o forte aumento no número de pessoas deslocadas"", chamadas no jargão internacional de ""IDP"" (Internally displaced people), ""é o fechamento das fronteiras"", explicou Egeland à AFP, acrescentando que a comunidade internacional ""não quer ou não pode fazer o que prometeu: proteger os mais vulneráveis e os inocentes"".

No dia 31 de dezembro de 2014, os países que contavam com o maior número de pessoas deslocadas eram Síria (7,6 milhões), Colômbia (6 milhões), Iraque (3,3 milhões), Sudão (3,1 milhões) e a República Democrática do Congo (2,56 milhões).

Os deslocados internos são pessoas que permanecem em seus países, ao contrário dos refugiados, obrigados a fugir para outros países. De acordo com estatísticas da ONU, o mundo tinha 16,7 milhões de refugiados no fim de 2013.

""Este relatório deveria servir como um grande sinal de alarme. Devemos romper esta tendência na qual homens, mulheres e crianças se encontram presos em áreas de conflito em todo o mundo"", completou Egeland, citado em um comunicado do IDMC.

Cerca de 60% dos deslocados internos de 2014 estavam em apenas cinco países, os já mencionados: Iraque, Sudão do Sul, Síria e República Democrática do Congo, além da Nigéria.

Pelo menos 40% da população da Síria foi obrigada a recorrer ao deslocamento, o maior índice do planeta. O país enfrenta uma violenta guerra civil desde 2011.

No final de 2014, havia ao menos 7 milhões de deslocados internos em todas as Américas (do Norte, Central e do Sul), em alta de 12% em relação a 2013. A Colômbia tem o recorde dos deslocados internos, com 6,04 milhões de pessoas no fim de 2014, cerca de 12% de sua população total.

""A maior causa de deslocamento em México, Guatemala, El Salvador e Honduras é a violência criminal vinculada ao tráfico de drogas e às atividades de gangues urbanas"", destaca o relatório do IDMC.

Estes quatro países e a Colômbia ""têm 19 das 50 cidades com o maior índice de criminalidade do mundo"", segundo o documento. No México a violência criminal provocou o deslocamento de ao menos 9 mil pessoas em 2014, em 10 estados do país.

""Os traficantes de drogas e outros grupos criminosos no México são responsáveis por milhares de mortes e sequestros de civis, aterrorizando as populações locais (...)"", acrescenta.

Dos países e regiões citados, o Oriente Médio, o norte da África, o Iraque, o Sudão do Sul, a Síria, a Nigéria, a Colômbia e o México integram a
Classificação da Perseguição Religiosa, lista atualizada anualmente pela Portas Abertas, que revela as 50 nações mais intolerantes aos cristãos.

Sobre nós

A Portas Abertas é uma organização cristã internacional e interdenominacional, fundada pelo Irmão André, em 1955. Hoje, atua em mais de 60 países apoiando cristãos perseguidos por causa da fé em Jesus.

Facebook
Instagram
Twitter
YouTube

© 2024 Todos os direitos reservados

Home
Lista mundial
Doe
Fale conosco