Polícia fecha mais uma igreja na Argélia

Clima no país é de instabilidade devido às eleições, e as manifestações têm provocado incertezas entre os cristãos

Funcionários da polícia fecharam mais uma igreja em Boudjima, na Argélia. Uma escola pertencente a igreja também foi fechada. A igreja, localizada na região norte do país, é liderada pelo pastor Youcef Ouramane, e os irmãos argelinos estão enfrentado forte pressão do Estado.

A intenção da polícia era interditar todo o edifício, mas eles não puderam executar a ação completamente, pois havia pessoas dentro da igreja quando as autoridades chegaram. Dessa forma, só puderam impedir a entrada pela porta principal, enquanto o outro acesso do prédio permaneceu aberto. No entanto, testemunhas locais confirmaram o fechamento da igreja.

A intervenção das autoridades é apenas mais um incidente na crescente pressão sobre a igreja na Argélia. Várias outras igrejas também foram fechadas no ano passado. O governo da Argélia descreve sua população como "argelina, muçulmana e árabe", ou seja, os cristãos não são contabilizados ou considerados na sociedade, embora a igreja continue crescendo.

No país, há leis que regulam o culto não muçulmano e proíbem a conversão do islamismo. Outras leis, como a de blasfêmia, também dificultam aos cristãos o compartilhamento da sua fé. Além do momento de instabilidade devido às eleições presidenciais previstas para o dia 04 de julho, a opressão islâmica, especialmente dentro das famílias muçulmanas, é o principal tipo de perseguição que afeta os cristão argelinos.

Pedidos de oração