Treinamento pós-trauma para cristãos que foram presos no Irã

No Irã, muitos cristãos são aprisionados por causa da fé e, depois de soltos, precisam aprender a lidar com seus traumas

| 16/04/2019 - 16:30

Cristãos do Irã passam por treinamento pós-trauma depois de saírem da prisão

Cristãos do Irã passam por treinamento pós-trauma depois de saírem da prisão


A cada ano, dezenas de cristãos iranianos são presos por sua fé. Muitos precisam lidar com traumas após serem soltos. Por isso, a Portas Abertas organiza um treinamento pós-trauma para aqueles que hoje moram em outro país. Nossa conselheira, Tina (pseudônimo), falou um pouco sobre seu trabalho.

Você pode descrever como é o treinamento pós-trauma?
Participar dos grupos é sempre opcional. Eles estiveram na prisão e agora são refugiados, e nada disso aconteceu por suas próprias escolhas. Até agora, nunca vi ninguém rejeitar esse convite. Deus prepara os corações com a ajuda das orações e apoio oferecidos pela equipe organizadora e parceiros da Portas Abertas. Falamos sobre como confiar uns nos outros e porque precisamos disso. Além disso, abordamos gerenciamento de estresse, cuidado com o corpo e a mente, autocompaixão, resiliência, controle de emoções, limites e vergonha.

Como criar um espaço seguro para as pessoas se abrirem sobre traumas?
Para lidar com um trauma, a primeira coisa é criar um ambiente seguro e de apoio. Compartilhar sobre um trauma nem sempre ajuda a aliviar sintomas e, às vezes, pode ser prejudicial. O trabalho em grupo é por um tempo limitado e devemos ser muitos cuidadosos para não os traumatizar ainda mais. Porém, muitas pessoas compartilham naturalmente por se sentirem seguras no grupo e isso os ajuda no processo. Quanto mais compartilham, mais veem que não são os únicos que passaram por isso.

Por que a Portas Abertas organiza esse treinamento?
A perseguição muda a pessoa. Não há como ser quem era, é um novo começo. Eu ouvi muitos ex-prisioneiros dizendo que a vida como refugiado é muito difícil, é como uma prisão sem grades em que se sentem encurralados. Ajudá-los é ajudar os cristãos e a Igreja Perseguida.

Você pode compartilhar sobre o impacto desse treinamento? 
Eles se sentem isolados, sozinhos, irados, amargurados, fracos, com saudades de casa e sem esperança. Quando veem que não estão sozinhos, mas que outros enfrentam problemas parecidos, isso traz normalidade à situação. Eles falam, compartilham e aprendem uns com os outros e, acima de tudo, se sentem conectados. Eles criam novas memórias, têm algo para dar e receber.

Escreva para quatro cristãos iranianos
Assim como Tina ajuda cristãos iranianos que estiveram presos, você também pode ser um com irmãos e irmãs privados de liberdade escrevendo um cartão de encorajamento. Ebrahim Firouzi, de 31 anos, está preso desde agosto de 2013 e, embora devesse ser solto em 2015, foi sentenciado a mais cinco anos de prisão. Nasser-Navard Gol-Tapeh, de 57 anos, cumpre dez anos de prisão por “atividades missionárias”. O pastor Victor Bet-Tamraz foi preso em 2014, enquanto celebrava o Natal. A sentença foi dez anos de prisão e ele está em liberdade condicional no momento. Shamiram Isavi Khabizeh, esposa de Victor Bet-Tamraz, também está em liberdade condicional de sua sentença de cinco anos.

Leia também
Seis cristãos presos no Irã são soltos
Cristãos presos no Irã
Mais prisões de cristãos no Irã


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE