5 tendências que marcaram a Lista Mundial da Perseguição 2021

Entenda os fatores que influenciaram os resultados da LMP

A pandemia de COVID-19 transformou a realidade do mundo, afetando também os países da Lista Mundial da Perseguição (LMP) 2021. E, consequentemente, aumentou a vulnerabilidade dos cristãos que enfrentam perseguição por não abrirem mão do evangelho. A pesquisa para a construção da LMP nos permite analisar quais fatores impactaram a perseguição aos cristãos. Veja cinco tendências que marcaram a Lista Mundial da Perseguição 2021.

  1. A COVID-19 aumentou as vulnerabilidades sociais, culturais, econômicas e estruturais dos cristãos

A pandemia aumentou e destacou as vulnerabilidades dos cristãos em todo o mundo. Por isso, a opressão e repressão dos seguidores de Jesus se tornaram mais intensas. Na Índia, mais de 100.000 cristãos receberam a assistência de parceiros da Portas Abertas, após serem excluídos das ajudas dadas pelo governo. Alguns relataram que receberam o socorro imediato, mas enfrentaram discriminações. Casos como esse aconteceram em mais países da LMP 2021, como Mianmar, Nepal, Vietnã, Bangladesh, Paquistão, Sudão, Nigéria, entre outros.

  1. A militância islâmica explorou as restrições da COVID-19 para se espalhar pela África Subsaariana

Em toda a África Subsaariana, a igreja enfrentou níveis de violência 30% mais altos do que no ano passado – ao contrário de outras partes do mundo, onde as restrições por causa da pandemia significaram uma queda na violência contra os cristãos. Muitas aldeias nigerianas cristãs foram ocupadas ou saqueadas por pastores de cabra fulanis armados e campos e plantações foram destruídos. No Sahel, área próxima ao deserto do Saara, os jihadistas exploraram as falhas do governo e espalharam propagandas violentas e atacaram os vilarejos. O mesmo aconteceu no Mali, Burkina Faso e Níger.

  1. A COVID-19 validou o aumento da vigilância e restrições por governos totalitários e autoritários

Em países com governo autoritários como a China, os cristãos continuaram enfrentando perseguição e privação de necessidades básicas. Por mais que o governo do país tenha tomado medidas para conter a COVID-19, muitos cristãos enfrentaram restrições pesadas por parte das autoridades comunistas. Muitos tiveram as casas vigiadas e foram ameaçados por não renunciarem ao evangelho.

  1. O nacionalismo impulsionado pela identidade religiosa surgiu em países como Índia e Turquia

Os cristãos na Índia e na Turquia lidam com a pressão vinda do governo e da sociedade para deixarem de lado o cristianismo e seguirem as religiões do país, como o hinduísmo e o islamismo. O governo indiano pressiona os cristãos através da propaganda nacionalista, alegando que “para ser indiano, você deve ser hindu”, o que aumenta a perseguição aos seguidores de Cristo por parte da população, que enxerga os cristãos como traidores e seguidores de uma religião ocidental.

  1. A COVID-19 ajudou grupos criminosos da América Latina e América Central a consolidar o controle

Em países como México, Colômbia, El Salvador e Honduras, grupos do crime organizado usaram das restrições da pandemia para tomar o controle. No México, o narcotráfico implementou o próprio toque de recolher e líderes cristãos que o desafiam podem enfrentar extorsão, roubos, agressões e até mortes. Já na Colômbia, pastores cristãos foram obrigados a vigiar as entradas e saídas de áreas rurais para evitar a transmissão do vírus, afetando a credibilidade dos líderes com os ministérios.

Tendências da Perseguição

Para saber mais sobre as tendências que influenciaram a perseguição enfrentada pelos nossos irmãos e irmãs ao redor do mundo, acesse o artigo e leia mais sobre o tema. Além disso, você poderá baixar o mapa da Lista Mundial da Perseguição 2021, para ter acesso ao ranking dos 50 países onde seguir a Cristo pode custar a vida. 

As informações referentes à Lista Mundial da Perseguição 2021 foram coletadas no período de pesquisa da LMP 2021 (1 de outubro de 2019 a 30 de setembro de 2020).