Muçulmanos reagem a declarações do papa sobre o islã

| 16/09/2006 - 00:00


Muçulmanos rejeitaram as declarações de Bento 16 a respeito do islã e exigiram um pedido de desculpas do papa, que acusam de ter aderido à campanha contra a religião muçulmana.

O papa do Vaticano se uniu à aliança sionista-americana contra o islã, diz o jornal Attajdid, do Marrocos, o principal jornal islâmico do reino.

Exigimos que ele peça desculpas pessoalmente, e não por meio do Vaticano, aos muçulmanos, afirmou Mohammad Hussein Fadlallah, um dos principais clérigos muçulmanos no mundo.

Em um discurso na Alemanha nesta terça-feira, Bento 16 pareceu endossar a visão cristã, contestada por muitos muçulmanos, de que, em sua origem, a religião islâmica foi disseminada pelo mundo por meio da violência.

Bento 16 voltou a criticar o profeta Maomé, dizendo que o conceito islâmico da jihad mostra que a religião muçulmana é irracional e incompatível com a natureza de Deus.

Clérigos muçulmanos e líderes de muitos países criticaram as declarações do papa, dizendo que apontam um sinal de ignorância a respeito do islã.

A Irmandade Muçulmana --o maior grupo político islâmico-- exigiu um pedido de desculpas do papa e exigiu que os governos de países islâmicos cortem relações com o Vaticano.

O grupo disse ainda que as declarações do papa aumentam as divergências entre o mundo muçulmano e o Ocidente e revelam profundo ódio aos muçulmanos.

Segundo o xeque Hamza Mansour, que lidera o Conselho de Shura da Frente de Ação Islâmica --principal partido de oposição da Jordânia-- apenas um pedido de desculpas pode retificar o grave insulto representado pela provocação para mais de 1 bilhão de muçulmanos.

Defesa

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, defendeu o discurso de Bento 16, dizendo que ele não tinha a intenção de ofender os muçulmanos. Certamente, esta não foi a intenção do nosso papa ferir as sensibilidades da fé muçulmana, disse Lombardi à rádio do Vaticano.

O governo egípcio --que se opõe politicamente aos países islâmicos e é aliado de países ocidentais-- se disse preocupado com a repercussão do discurso do papa.

A Assembléia Nacional do Paquistão aprovou por unanimidade uma resolução condenando os comentários do papa.

Estas declarações ferem os sentimentos dos muçulmanos, diz a resolução. Exigimos que o papa se retrate, pelo interesse da harmonia entre todas as religiões.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE