Reivindicação de "Estado islâmico" é silenciada

| 16/08/2007 - 00:00


O governo interrompeu a discussão acalorada que vinha sendo feita na mídia malaia sobre o país ser ou não ser um "Estado islâmico". O primeiro-ministro Najib Abdul Razak, que levantou a questão ao protestar no mês passado contra grupos religiosos, foi obrigado a voltar atrás em suas declarações. Além disso, o Ministério de Segurança Interno o compeliu a emitir uma ordem de mordaça na cobertura da mídia sobre o assunto.

No dia 17 de julho, durante a Conferência Internacional dos Estados Islâmicos, Najib disse que "a Malásia era um Estado islâmico e nunca tinha sido uma nação secular", de acordo com definição ocidental.

"Nosso governo sempre foi dirigido pelos fundamentos do islã”, disse. Porém, ele lembrou que a Constituição Federal garante liberdade religiosa a minorias não-muçulmanas que compõem aproximadamente 40% da população.

As afirmações imediatamente causaram protestos entre as comunidades religiosas que temem restrições, especialmente após a recente decisão da Corte Federal desfavorável a Lina Joy, que tentou em vão retirar o status religioso de muçulmana para cristã em sua carteira de identidade (leia mais).

O bispo Paul Tan, presidente da Federação Cristã de Malásia, respondeu aos comentários emitindo uma declaração à imprensa expressando suas preocupações e pedindo que o primeiro-ministro se retratasse.

Ele alegou que o uso do termo "Estado islâmico" é inaceitável a outras religiões por três motivos: o termo não é usado na Constituição Federal; os pais da independência da Malásia nunca mencionaram que o país seria um estado islâmico; e partidos de coalizão não-muçulmanos nunca consentiram, nem endossaram oficialmente, o termo "Estado islâmico" para descrever o país.

Independência

Ong Ka Chuan, secretário-geral da Associação Chinesa da Malásia, lembrou que antes de conceder a independência para Malásia em 1957, as autoridades britânicas declararam expressamente que os "membros da aliança não tinham nenhuma intenção de criar uma teocracia muçulmana" e afirmaram na ocasião que a Malásia "seria um estado secular."

O ex-primeiro-ministro Mahathir Mohamad apoiou a declaração de Najib. Em setembro de 2001 ele também proferiu uma afirmação semelhante.

Por isso, em uma clara tentativa de suprimir as preocupações dos não-muçulmanos com a liberdade religiosa do país, o primeiro-ministro Najib Abdullah disse no domingo (5 de agosto) que a Malásia não é nem um estado secular nem um estado teocrático.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE