Premiê da Etiópia ganha Prêmio Nobel da Paz

O maior feito do primeiro-ministro cristão da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, foi pôr fim aos 20 anos de conflito com a vizinha Eritreia

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed Ali, ganhou o Nobel da Paz 2019 por sua iniciativa decisiva para resolver o conflito com a vizinha Eritreia, no Chifre da África. O anúncio do 100º Prêmio Nobel da Paz foi feito na manhã da última sexta-feira (11), em Oslo, na Noruega. O prêmio foi concedido por causa da atuação de Ali, em cooperação com o presidente da Eritreia, Isaias Afwerki, na elaboração dos princípios de um acordo de paz entre os dois países. O tratado colocou fim a 20 anos de uma guerra que deixou mais de 80 mil mortos.

Nos primeiros meses após assumir o poder, em abril de 2018, Ali retirou o estado de emergência, ordenou a libertação de milhares de prisioneiros, permitiu que exilados retornassem ao país, nomeou mulheres como ministras, atingindo 50% de mulheres no gabinete, e retirou a censura imposta a centenas de websites e canais de TV. Para pôr fim ao estado de guerra com a Eritreia, ele concordou em ceder território disputado na fronteira entre os dois países.

Hoje aos 43 anos, Abiy Ahmed Ali é o primeiro líder no comando do país da etnia oromo, que é a etnia majoritária, mas que se considerava marginalizada política, econômica e culturalmente durante anos. O povo oromo é o maior responsável pelos quase três anos de protestos antigovernistas que antecederam a eleição de Ali. O primeiro-ministro cristão é filho de mãe cristã e pai muçulmano.

Segundo a BBC, “o ritmo de mudança na Etiópia foi tão rápido desde que Abiy Ahmed se tornou primeiro-ministro que é quase como observar um outro país, e é por isso que ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz. As reformas que ele introduziu eram inimagináveis não muito tempo atrás”.

Agradeça a Deus pelas mudanças positivas na Etiópia e ore para que elas beneficiem os cristãos perseguidos no país. Clame para que eles tenham assegurado o direito de cultuar a Jesus e que possam fazê-lo em liberdade e segurança. A Etiópia ocupa a 28ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2019, sendo um dos países onde os cristãos são mais perseguidos.